Educação Ambiental e Pandemia

Autores

  • Caio Floriano dos Santos Universidade Federal do Rio Grande http://orcid.org/0000-0003-0229-4869
  • Carlos RS Machado Universidade Federal do Rio Grande
  • Simone Grohs Freire Universidade Federal do Rio Grande

Palavras-chave:

Subalternos; justiça social e ambiental; Pandemia; Educação Ambiental.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo realizar algumas reflexões sobre a Educação Ambiental e a Pandemia de COVID-19. Para tanto, escolheu-se procurar levantar alguns elementos a partir das perguntas realizadas na convocatória do Dossiê. Apontamos o caminhar ao lado dos grupos subalternos como uma possibilidade para auxiliar nas mudanças necessárias frente às desigualdades sociais e ambientais, desveladas durante a Pandemia, para um mundo com justiça e equidade social e ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Floriano dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande

Possui graduação em Oceanografia pela Universidade do Vale do Itajaí (2008) e doutorado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (2016). Pós Doutorando (PNPD/CAPES) no Programa de Pós- Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande (PPGEA/FURG). Desenvolvendo pesquisas e projetos de extensão nos seguintes temas: conflito ambiental, educação ambiental, justiça ambiental, desigualdade ambiental, desenvolvimento, licenciamento ambiental e juventude

Carlos RS Machado, Universidade Federal do Rio Grande

Docente da Universidade Federal do Rio Grande e do PPGEA/FURG.

Simone Grohs Freire, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Educação Ambiental (FURG); Coordenadora e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA); Professora associada do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Pesquisadora do Grupo de Estudos em Filosofias Emergentes (GEFE); Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Ensino de Filosofia e Educação Filosófica - Regional Extremo Sul (NESEF).

Referências

ACSELRAD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: Fundação Heinrich Böll. 2004. p. 13 - 34.

ACSELRALD, Henri. Pandemia, crise ambiental e impasses da modernização ecológica do capitalismo. Germinal: Marxismo E educação Em Debate, 13(2), 205–218. 2021. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45314

ACSELRAD, Henri; MELO, Cecilia Campelo; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond. 2009.

ALBA RICO, Santiago. Capitalismo Pandémico. Contexto y Acción. n. 268. 2001. Disponível: https://ctxt.es/es/20210101/Firmas/34633/Santiago-Alba-Rico-capitalismo-pandemico-sindemia-virus-desigualdad.htm

ARÁOZ, Horacio Machado. Mineração, genealogia do desastres: o extrativismo na América como origem da modernidade. São Paulo: Elefante. 2020.

BOURDIEU, Pierre e WACQUANT, Loïc. Pensar Relacionalmente, In: Una Invitación a la sociologia reflexiva. México/Espanha/Buenos Aires/Siglo XXi, 2008.

BRONZ, Débora, ZHOURI, Andréa, & CASTRO, Edna. Apresentação: Passando a boiada: violação de direitos, desregulação e desmanche ambiental no Brasil. Antropolítica - Revista Contemporânea De Antropologia, (49). 2020. https://doi.org/10.22409/antropolitica2020.i49.a44533

COLETIVO BRASILEIRO DE PESQUISADORES DA DESIGUALDADE AMBIENTAL. Desigualdade ambiental e acumulação por espoliação: o que está em jogo na questão ambiental? e-cadernos CES. 2012. p. 164 -183.

COSTA, Gustavo Pereira. Prefácio. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno; MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo; MELO, Eriki Aleixo de (Orgs.). Pandemia e Território. São Luís: Uema Edições. 2020.

FERREIRA, Joelson; FELICIO, Erahsto. Por terra e território: caminhos da revolução dos povos no Brasil. Bahia: Teia dos Povos. 2021.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 80. 2008. URL: http://journals.openedition.org/rccs/697; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.697

FREITAS, Ilton. Guerra híbrida contra o Brasil. Porto Alegre: Liquidbooh, 2019.

HARVEY, David. Anticapitalismo em tempos de Pandemia: marxismo e ação coletiva. São Paulo: Boitempo. 2020.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. 7 ª reimpressão São Paulo: Companhia das Letras. 2019.

KORYBKO, Andrew. Guerras híbridas. São Paulo: Expressão Popular, 2018;

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras. 2019.

LAYRARGUES, Philippe Pomier; LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental. Ambiente & Sociedade. V. XVII, n.1. 2014. P. 23-40.

LEIRNER, Pierro. O Brasil no espectro de uma guerra fria. São Paulo: ALAMEDA, 2020.

MACHADO, Carlos RS. O vírus, as injustiças e a crise/superação do capitalismo: desde o vivido na quarentena. In: MACHADO, Carlos RS. (Org.). A ação dos oprimidos contra o vírus capitalista: reflexões desde o vivido. Marília: Lutas Anticapital. 2020. p. 27 – 98.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e Pandemia. São Paulo: Boitempo. 2020.

MBEMBE, Achile. Necropolítica. n1 edições. 2020.

MORAES, Bruno Emilio. A crise da Educação Ambiental e os novos horizontes epistemológicos. In: SANTOS, Caio Floriano dos; MACHADO, Carlos RS (Orgs.). Conflitos Ambientais e Urbanos: por uma educação para a justiça ambiental. Florianópolis: Tribo da Ilha. 2021. p. 35-65.

PENIDO, Ana; STÉDILE, Miguel Enrique. Ninguém regula a América - guerras híbridas e intervenções estadunidenses na América Latina. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo e Expressão Popular, 2021.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Prefácio – A desordem do progresso. ARÁOZ, Horacio Machado. Mineração, genealogia do desastres: o extrativismo na América como origem da modernidade. São Paulo: Elefante. 2020.

SANTOS, Caio Floriano dos. Educação Ambiental para a justiça ambiental – nem uma aspirina e nem um Band-Aid. In: SANTOS, Caio Floriano dos; MACHADO, Carlos RS (Orgs.). Conflitos Ambientais e Urbanos: por uma educação para a justiça ambiental. Florianópolis: Tribo da Ilha. 2021. p. 11-34.

Santos, C. F. dos, Gonçalves, L. D., & Machado, C. R. da S.. Educação ambiental para justiça ambiental: dando mais uns passos. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 32(1), 189–208. 2015. https://doi.org/10.14295/remea.v32i1.5016

SAUVÉ. Lucie. Uma cartografia das correntes de Educação Ambiental. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel Cristina Moura (Orgs.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed. 2005. p.11-44.

WALSH, Catherine. Gritos, grietasy sembras de vida: entretejeres de lo pedagógico y lo decolonial. In: WALSH, Catherine (Orgs.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)viver. Tomo II. Ecuador/Quito: Ediciones Abya-Yala. 2017. p. 17-45.

ZUCARELLI, Marcos. Mineração no contexto da pandemia da covid-19 no brasil: aspectos institucionais e corporativos. In: Wanderley, Luiz Jardim; Mansur, Maíra; Milanez, Bruno. Essencialidade forjada e danos da mineração na pandemia da Covid-19: os efeitos sobre trabalhadores, povos indígenas e municípios minerados no Brasil. Brasília: Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração e Observatório dos Conflitos da Mineração no Brasil. 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-04

Como Citar

Santos, C. F. dos, RS Machado, C., & Grohs Freire, S. (2022). Educação Ambiental e Pandemia. Ambiente &Amp; Educação, 26(2), 3–19. Recuperado de https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/14272

Edição

Seção

Educação Ambiental e a Pandemia de COVID-19