Ambiente & Educação https://seer.furg.br/ambeduc <p>A Revista Ambiente &amp; Educação foi criada, em 1996 no modo impresso, como espaço de discussão no Programa de Educação Ambiental da FURG. Em 2006 a revista passou a ter artigos disponibilizados no formato digital e em 2007 a ter E-ISSN.</p> <p>Atualmente a Revista está disponível apenas no formato digital e aceita artigos científicos, resenhas e entrevistas em portuiguês e espanhol. A revista tem periodicidade semestral e possui conceito Qualis B2 pelos parâmetros atuais de avaliação de periódicos.</p> Universidade Federal do Rio Grande pt-BR Ambiente & Educação 2238-5533 Os (as) autores(as) que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: Os (as) autores(as) mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações (CC BY-NC-ND 4.0) que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. Os (as) autores(as) têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista. Os (as) autores(as) têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) em qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. Expediente https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13647 Editor da Revista Copyright (c) 2021 Editor da Revista https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 Charges em educação ambiental: um estudo de campo com alunos do ensino médio https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/9565 Com o intuito de identificar as potencialidades das charges como recurso didático em educação ambiental, a pesquisa foi realizada em uma turma de 18 alunos do terceiro ano do ensino médio, aplicando três diferentes técnicas de coleta de dados para constituir o corpus de análise: diário de campo, produção de charges e um questionário sobre o uso das charges. A partir da análise dos resultados, emergiram três categorias: potencial de ancoramento, potencial da abordagem complexa e o potencial de sensibilização. As categorias se apresentaram condizentes com os princípios da educação ambiental descritas no Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Valéria Ghisloti Iared Rafael Margatto Aloisio Copyright (c) 2021 Valéria Ghisloti Iared, Rafael Margatto Aloisio https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 355 382 Educação ambiental para sustentabilidade https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11085 O projeto de Extensão Eco trilha em defesa do Rio Uruçuí Preto, analisou as trilhas ecológicas como recurso didático pedagógico voltado à educação ambiental para sustentabilidade de estudantes de uma instituição pública de ensino superior. Este estudo foi realizado por meio de uma abordagem exploratória, com método qualitativo, de raciocínio indutivo, tomando como base uma pesquisa de campo. O resultado das atividades despertou a sensibilidade não só dos alunos, mas da comunidade acadêmica da universidade. Conclui-se que os resultados da Trilha Ecológica como proposta pedagógica na construção de um pensamento crítico sobre questões socioambientais, envolvendo os alunos na conservação da biodiversidade, além de os auxiliarem no processo de ensino-aprendizagem. José Welliton Silva do Nascimento Copyright (c) 2021 JOSÉ WELLITON SILVA DO NASCIMENTO https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 383 408 Educação ambiental no contexto escolar https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/9818 O presente trabalho possui como objeto de estudo a Educação Ambiental com crianças e adolescentes na faixa etária entre 6 e 17 anos, realizado da 15ª CRE de Erechim/RS. O recorte geográfico tem por objetivo elencar projetos relacionados ao ambiente desenvolvidos nas escolas públicas estaduais da 15ª CRE de Erechim/RS. Utiliza-se como metodologia a pesquisa bibliográfica acrescido de técnicas quali-quantitativa e de pesquisa de campo para aproximação da realidade com a preocupação das escolas com o ambiente e com a Educação Ambiental, onde evidencia-se os projetos realizados no decorrer do ano de 2019. Nesse contexto, pode-se indicar que dos 41 municípios que fazem parte da 15ª CRE apenas 18 estão na lista de projetos encontrados, 30% em termos estatísticos. Thaís Janaina Wenczenovicz Juliane Maria Zagonel Copyright (c) 2021 Thaís Janaina Wenczenovicz, Juliane Maria Zagonel https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 409 429 Educação ambiental em instituição pública de ensino superior https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11246 Os órgãos do serviço público e, mais especificamente as Instituições de Ensino Superior (IES), podem transformar-se em espaços para o exercício da educação ambiental. Este estudo objetivou analisar a implementação de saberes e práticas da educação ambiental, na percepção dos gestores da UFSM, com vistas a produzir subsídios que contribuam para o fortalecimento da educação ambiental. De maneira geral, os resultados demonstraram que as entrevistadas reconheceram que a temática educação ambiental é de suma importância, caracterizando-se como um instrumento fundamental nas IFES e que, de alguma forma, estão tentando englobar esse tópico na Instituição. Constatou-se, ainda, que diversas ações ocorrem na Instituição, porém são ações isoladas e que não há uma coesão/intenção/prioridade sobre o assunto. Doneide Kaufmann Grassi Sheila Kocourek Jairo da Luz Oliveira Copyright (c) 2021 Doneide Kaufmann Grassi, Sheila Kocourek, Jairo da Luz Oliveira https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 430 456 10.14295/ambeduc.v25i3.11246 Aprendendo os conteúdos sobre água no ambiente através de oficina e cartilha pedagógica https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11313 O estudo tem como objetivo avaliar uma oficina utilizando cartilha pedagógica com conteúdos sobre água no ambiente de forma lúdica e contextualizada. A pesquisa foi feita em uma turma de 31 alunos do Colégio Objetivo de Redenção/PA, do 8º Ano do Ensino Fundamental. Iniciou-se com a aplicação de um questionário de conhecimento prévio dos alunos sobre a temática “Água”. A partir da análise das respostas, foi produzida a oficina e a Cartilha. A oficina foi aplicada em sala de aula através da leitura dos textos, resolução das atividades e experimentos. Ao fim, foi aplicado outro questionário para avaliar a aprendizagem. Para a avaliação final, consideraram-se as respostas dos alunos ao questionário e o preenchimento das atividades da cartilha. Edson Alves Machado Filho Copyright (c) 2021 Edson Alves Machado Filho https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 457 482 Educación ambiental crítica y agroecología en la formaciín de profesores/as de escuelas públicas de Juiz de Fora, MG, Brasil https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11373 O artigo aborda a formação de professores/as por meio da educação ambiental crítica, baseada na agroecologia, como um processo de aprendizagem construído sobre uma dinâmica de interação entre sujeitos, geração de saberes e transformação. A pesquisa foi realizada sob uma perspectiva qualitativa, assim foram trianguladas as informações coletadas por meio de entrevistas, observação participante e caderno de campo, com o objetivo de analisar a contribuição da educação ambiental crítica baseada na agroecologia para a formação de professores/as que trabalham com a horta escolar. O estudo revelou que o contato com os agricultores/as e suas práticas agroecológicas contribuiu para que os professores/as que participaram incorporassem novos saberes, transformando as hortas escolares em um espaço pedagógico crítico e contra- hegemônico. Olga Alicia Gallardo Milanés Ángelica Consenza Rodrigues Camila Neves Silva Copyright (c) 2021 Olga Alicia Gallardo Milanés, Ángelica Consenza Rodrigues, Camila Neves Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 483 512 Primeira infância e natureza https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11593 A presente pesquisa intentou analisar a relação da criança com o meio natural durante a Primeira Infância, bem como, a percepção de natureza que esta tem estabelecido e significado em sua vida cotidiana dentro dos espaços escolares. Para tanto, como metodologia de trabalho optou-se pelo levantamento bibliográfico de cunho teórico e científico aliados a pesquisa de campo, o qual visou o levantamento de informações por meio de registros iconográficos. Mediante os dados levantados pode-se evidenciar o quanto é importante a valorização e disponibilidade de espaços naturalizados no ambiente escolar. No entanto, para que isso ocorra se faz necessário uma mudança de paradigma dentro das instituições de ensino, para que se possa olhar os ‘espaços abertos’ como um lugar de movimento, interação e descontração, onde por intermédio do brincar se é permitido conhecer e vivenciar o convívio cuidadoso com todas as formas de vida. Graciele Cristiane Rambo Marli Renate von Borstel Roesler Copyright (c) 2021 Graciele Cristiane Rambo, Marli Renate von Borstel Roesler https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 513 540 Programa Nacional Escolas Sustentáveis https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11607 Este trabalho apresenta a produção científica sobre o Programa Nacional Escolas Sustentáveis (PNES) a partir de 2014. Para tanto, realizou-se busca de publicações científicas em eventos nacionais, periódicos avaliados com Qualis, teses e dissertações, por meio dos argumentos de busca: Escola Sustentável; Espaço Educador Sustentável e Programa Nacional Escolas Sustentáveis. Emergiram 15 artigos, 9 dissertações e 4 teses. Adotou-se a pesquisa bibliométrica que possibilitou verificar que as discussões, em sua maioria, abordam os processos formativos para professores e comunidade escolar e local, bem como informam práticas de Educação Ambiental dissociadas dos princípios do PNES e ausência de monitoramento e avaliação por parte do governo federal. José Flávio Rodrigues Siqueira Alexandre Meira de Vasconcelos Angela Maria Zanon Copyright (c) 2021 José Flávio Rodrigues Siqueira, Alexandre Meira de Vasconcelos, Angela Maria Zanon https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 541 564 Educação ambiental em museus de história natural https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11626 Este trabalho apresenta a análise de uma exposição interativa como ferramenta de educação ambiental em um museu de história natural. A exposição como proposta fazer com que o público adquirisse conhecimentos sobre dois biomas brasileiros, a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica. Relatamos aspectos da criação e preparo da exposição, as percepções do público visitante e como a educação ambiental aplicada em museus de história natural pode ser efetiva. Esperamos que essa experiência inspire futuras ações e atividades que relacionem museus, trilhas ecológicas e meio ambiente, visando cada vez mais a utilização de ferramentas transdisciplinares de educação para a conscientização ambiental. Rayssa Bernardi Guinato José Carlos Simão Cardoso Júnior Roberta Andreotti Machado Olimpio Copyright (c) 2021 Rayssa Bernardi Guinato, José Carlos Simão Cardoso Júnior, Roberta Andreotti Machado Olimpio https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 565 584 Educação ambiental no ensino superior através do monitoramento ambiental de recursos hídricos https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11722 O objetivo geral das atividades relatadas foi desenvolver empiricamente a Educação Ambiental no Ensino Superior através da utilização de técnicas de monitoramento ambiental e dessa forma ofertar um Ensino Superior de qualidade através de atividades que possibilitassem a integração entre ensino e pesquisa. As atividades de monitoramento ambiental foram desenvolvidas em aulas práticas dos cursos de Ciências Biológicas e Biomedicina da UNIP Jundiaí, bem como na elaboração de Trabalhos de Conclusão de Curso e de Iniciação Científica de discentes destes cursos. O desenvolvimento do protagonismo e do senso crítico por parte dos discentes foi fundamental para um aprendizado significativo no que tange à consciência ambiental. Ana Beatriz Carollo Rocha-Lima Copyright (c) 2021 Ana Beatriz Carollo Rocha-Lima https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 585 602 As relações teórico-metodológicas entre o pensamento de Paulo Freire e a educação ambiental crítica e transformadora: um olhar a partir dos temas geradores https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11760 A contemporaneidade enfrenta uma complexa crise socioambiental com o aumento das desigualdades sociais e da destruição do meio ambiente. Uma das formas reconhecidas de enfrentamento é a busca por uma Educação Ambiental crítica e formadora de sujeitos atuantes nessas problemáticas, que se paute em um paradigma da complexidade. O artigo objetiva analisar as contribuições do pensamento de Paulo Freire na construção de caminhos teórico-metodológicos para propostas nesse sentido. Utilizando como metodologia a análise bibliográfica, procurou-se realizar uma conversa entre diversas obras do autor e seus conceitos-chave com os estudos da Educação Ambiental crítica. Assim, a ideia de temas geradores se apresenta como importante ferramenta de ensino nesse processo. Thiago Dutra Tatiana Souza de Camargo Diogo Onofre Gomes de Souza Copyright (c) 2021 Thiago Dutra, Tatiana Souza de Camargo, Diogo Onofre Gomes de Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 603 632 Um estudo sobre relações entre educação ambiental e educação em ciências através de artigos publicados nas atas do ENPEC https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11773 Nesse trabalho apresentamos resultados de um estudo realizado a partir de artigos publicados nas atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Procuramos destacar e analisar relações entre educação ambiental e educação em ciências a partir da descrição das práticas pedagógicas presentes nos artigos. Essa análise foi realizada a partir de três categorias: conhecimentos, valores éticos/estéticos e participação política. Em um primeiro momento elaboramos agrupamentos a partir das diferentes práticas pedagógicas descritas nos artigos como, por exemplo, trabalho de campo, sequência didática e projetos de ensino. Nos artigos identificamos que algumas práticas pedagógicas envolvem a discussão de valores, como a afetividade, a solidariedade, o respeito e a contemplação da natureza. Em relação à dimensão da participação política foi identificada uma frequência menor nas práticas pedagógicas destacadas nos artigos. A dimensão dos conhecimentos está presente em todos os trabalhos. Todavia, não relações mais estreitas entre diferentes formas de conhecimento como, por exemplo, científico, filosófico e senso-comum. Salientamos que nos artigos analisados vai se delineando um cenário no qual há uma aproximação mais consistente, em termos teórico e metodológico, entre as áreas da educação em ciências e da educação ambiental. Vanessa Martins Mussini Luciano Fernandes Silva Copyright (c) 2021 Vanessa Martins Mussini, Luciano Fernandes Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 633 654 Percepção ambiental de estudantes do município de São Thomé das Letras, MG https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11193 O município de São Thomé das Letras é uma cidade turística que se localiza na região sul do estado de Minas Gerais e sofre intensa degradação ambiental, principalmente devido à mineração de quartzito (pedra são tomé). O objetivo deste trabalho foi caracterizar a percepção ambiental de estudantes do Ensino Médio e Fundamental da área urbana de São Thomé das Letras. Setecentos e treze estudantes responderam a questionários contendo questões sobre a problemática ambiental local. Os principais resultados mostraram que os alunos estão parcialmente sensibilizados em relação aos problemas ambientais locais gerados pela extração do quartzito e não veem o turismo como alternativa econômica à mineração. Renata de Melo Ferreira-Lopes Valéria Lúcia de Oliveira Freitas Paulina Maria Maia-Barbosa Copyright (c) 2021 Renata de Melo Ferreira Lopes, Bruna Araújo Braccini, Valéria Lúcia de Oliveira Freitas, Paulina Maria Maia Barbosa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 655 676 Áreas verdes para quem? Reflexões sobre a divulgação do tema “áreas verdes na baixada fluminense” em notícias da internet https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11846 No contexto do projeto “Baixada Verde”, a pesquisa objetivou refletir sobre a divulgação do tema “áreas verdes na Baixada Fluminense” a partir de dois textos de jornais de grande circulação, disponíveis na internet. Sob o aporte teórico-metodológico da Análise Crítica do Discurso, analisamos os textos a partir do seu significado representacional. Observamos o uso de estratégias discursivas para apresentar como interesse da coletividade o que interessa a apenas algumas pessoas ou grupos. As áreas verdes foram representadas majoritariamente por seu potencial ecoturístico, sendo ignorada a sua importância socioambiental e em saúde pública. A partir das análises apontamos subsídios para ações em educação ambiental crítica que busquem dar visibilidade às questões socioambientais relacionadas às áreas verdes nessa região. Paula Thaise Bermudez dos Reis Gabriela Ventura da Silva do Nascimento Copyright (c) 2021 Paula Thaise Bermudez dos Reis, Gabriela Ventura da Silva do Nascimento https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 677 704 Análise crítica de documentos sobre Educação Ambiental do MEC e do MMA https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/11967 Resumo O presente trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa que teve como objetivo analisar, na ótica do ambientalismo crítico, documentos do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério do Meio Ambiente (MMA) que versam sobre Educação Ambiental (EA). Ainda que as normativas dos documentos oficiais apresentem dificuldades de execução pelo Estado brasileiro, a existência de uma rede de políticas em EA possibilita e estimula ao educador ambiental pensar na possibilidade de um processo social que conduza a uma sociedade mais justa na perspectiva ambiental, refletindo, na ampliação da visão de mundo desses mesmos atores. Adotou-se uma abordagem qualitativa, de maneira que os elementos da pesquisa fossem compreendidos em sua complexidade. O tratamento metodológico consistiu, portanto, nas seguintes etapas principais: 1) busca e organização do material oficial de acordo com os objetivos propostos; 2) leitura inicial e exploratória do material; 3) análise documental com elementos da perspectiva de análise de conteúdo, orientada pelos pressupostos da Educação Ambiental Crítica (EAC). Os dados coletados foram examinados em seu conteúdo, sendo que destes emergiram as seguintes categorias de análise: abordagem, conceitos, objetivos, princípios e procedimentos para a realização da EA. Conclui-se que se faz necessário um maior compartilhamento de ações entre o MEC e o MMA para estabelecer relações mais orgânicas e pedagógicas de mobilização de frentes de EA em âmbito federal, posto que as linhas de ação entre estes órgãos são parcialmente compatíveis. Palavras-Chave: Educação Ambiental Crítica. Políticas Públicas. Documentos oficiais sobre Educação Ambiental. Marcus Vinícius dos Santos Cruz Copyright (c) 2021 Marcus Vinícius dos Santos Cruz https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 705 727 Panorama estadual de eventos extremos no litoral do Paraná https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12242 O objetivo do trabalho é analisar a incidência de eventos extremos no litoral do Paraná nos últimos 40 anos. Utilizou-se como base os dados das ocorrências presentes no Sistema de Defesa Civil e no Business Intelligence, da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Paraná. Como principais resultados, foi possível observar que os eventos mais frequentes na região litorânea são vendavais, enxurradas e granizo. Além disso, os municípios mais afetados, quanto à frequência de eventos e prejuízo econômico, são Paranaguá e Morretes. Conclui-se que é necessário investir na gestão de riscos dos municípios, valorizando mecanismos de prevenção de impactos e na preparação das comunidades Larissa Maria da Silva Ferentz Carlos Mello Garcias Copyright (c) 2021 Larissa Maria da Silva Ferentz, Carlos Mello Garcias https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 728 750 O Anti-intelectualismo e a espiral do silêncio: a manutenção da ignorância e o medo do isolamento como manipulação política https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12380 <p>Este artigo faz parte da pesquisa intitulada: “O Anti-intelectualismo e a Educação Ambiental: Implicações ao Debate da Crise Climática”, pesquisa do Mestrado em Ensino, PPGen/IFMT, inserida no Grupo de estudos em Educação Ambiental e Educação Campesina - GEAC. Objetiva evidenciar o fenômeno do Anti-intelectualismo como mecanismo de manipulação política na atualidade sendo o aporte metodológico o Materialismo Histórico Dialético. A Teoria da Espiral do Silêncio auxilia na fundamentação do artigo, afirmando o fenômeno do Anti-intelectualismo como ferramenta de manipulação e mecanismo de controle. Afirma-se que o pensamento anti-intelectual impacta negativamente o meio ambiente e agrava a condição de Crise Climática</p> Kathy de Freitas Marinho dos Reis Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra Copyright (c) 2021 Kathy de Freitas Marinho dos Reis, Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 751 781 El componente estético-ambiental en la licenciatura en educación artística en Cuba https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12469 <p>O foco do trabalho se centra na pertinência e novidade do componente estético-ambiental em Educação Artistica-Licenciatura das universidades cubanas, considerando como ponto de partida o foco transversal, transartistico e transdisciplinar do estético e do ambiental. Particularmente, se faz referência às concepções estético-ambientais pedagógicas de Estévez, autor do Programa “Teoria e Prática da Educação Estética”, validado na atualidade, assim como o projeto “Educar para o bem e a beleza”, que tem seu desenvolvimento nas escolas dos níveis de ensino elemental, básico e médio das provincias de Villa Clara e Cienfuegos (Cuba). Em especial, é especificada a orientação estético-ambiental do Programa e seu papel em uma formação mais integral dos estudantes, através da Educação Artistica.</p> Pedro Raúl Moreno Lurima Estevez Alvarez Copyright (c) 2021 Pedro Raúl Moreno, Lurima Estevez Alvarez https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 782 801 Pontes em águas doces https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12547 <p>O trilhar desta pesquisa é resultado de ponteares alicerçados nos princípios da justiça climática, compreendendo percepções sobre o clima no Pantanal Mato-Grossense de abundantes corpos de água doce [agricultores/lavradores de São Pedro de Joselândia]. A Cartografia do Imaginário, metodologia adotada, é uma forma de interpretar os fenômenos, de compreender que as escolhas ideológicas não são neutras, elucidando detalhadamente os territórios de pesquisa com estudos de caso, dialogando sobre as experiências e vivências.</p> Giseli Dalla Nora Michèle Sato Copyright (c) 2021 Giseli Dalla Nora, Michèle Sato https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 802 828 Editorial Revista Ambiente & Educação https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13646 Caio Floriano dos Santos Carlos Roberto da Silva Machado Copyright (c) 2021 Caio Floriano dos Santos; Carlos Roberto da Silva Machado https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 1 2 Envolvimento e educação ambiental https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13338 <p>O presente artigo discorre a respeito da existência de sustentabilidades estruturadas no envolvimento ambiental presente na RESEX do Extremo Norte do Tocantins, e na Ilha do Bananal. É uma pesquisa qualitativa, com viés etnográfico, cujo objetivo foi compreender o sustentável, existente na escala do lugar, visando contrapor a ideia de que o desenvolvimento sustentável é único para todos os locais. Metodologicamente nos alicerçamos, com inspiração fenomenológica, em narrativas de histórias de vida das extrativistas e dos indígenas. Tais narrativas, propiciaram compreender que temos modos de vida, que ao se constituírem em relações de envolvimento com o lugar, concede à Educação Ambiental entendimentos outros, para além de uma unicidade, sobre ser sustentável.</p> Fabio Vieira Pessoa Vieira Marcileia Oliveira Bispo Copyright (c) 2021 FABIO VIEIRA PESSOA Vieira, MARCILEIA https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 03 27 Por uma Educação Ambiental Decolonial https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12721 <p>Este artigo traz reflexões sobre potencialidades de licenciaturas indígenas para inspirações e aprendizagens no campo da Educação Ambiental (EA), a partir de pesquisa de Doutorado, em diálogo com algumas concepções teóricas que estão sendo elaboradas para pensar a EA em perspectiva decolonial. A investigação mostra potenciais ecológicos, políticos, culturais e espirituais dessas licenciaturas. Por meio de propostas pedagógicas fundamentadas em processos investigativos sobre os territórios dos/as participantes, esses programas estão construindo geopedagogias, de forma transdisciplinar, com revitalização cultural e linguística, envolvimento comunitário, produção de materiais pedagógicos e construção de ações concretas para a resolução de demandas ambientais.</p> Beatriz Osorio Stumpf Copyright (c) 2021 Beatriz Osorio Stumpf https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 28 60 Jeguetá, percorrendo caminhos e revelando sonhos https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13098 <p>Este artigo apresenta reflexões em torno da concepção das caminhadas, e dos sonhos Mbya-Guarani e da educação da atenção proposta por Ingolg, o Jeguetá para os Mbya-Guarani faz parte das formas de construção de seu Nhade Rekó, ou seja, seus modos de viverem e se construírem como pessoa. A discussão proposta aborda as diferentes formas de compreensão dos saberes das comunidades indígenas Mbya-Guarani, apontando para a construção dos seus territórios e as experiências de re-existências.</p> Daciene Oliveira Gianpaolo Adomilli Gustavo Ruiz Chiesa Copyright (c) 2021 Daciene Oliveira, Gianpaolo Adomilli, Gustavo Ruiz Chiesa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 61 85 Ecocídio e o caso do povo Yudjá/Juruna no Alto do Xingu https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13177 <p>O objetivo deste artigo é apresentar e questionar as injustiças socioambientais contra o povo Yudjá/Juruna na região da Volta Grande do Xingu. Focaremos em caracterizar as ações perpetradas pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte como formas de ecocídio e racismo ambiental, heranças coloniais que ainda são perpetradas contra a população indígena da região. Defenderemos que o dano ao ecossistema é uma violação à cosmoperspectiva e, consequentemente, à integridade do povo Yudjá/Juruna. Para sustentar tal posicionamento, dedicaremos nossas críticas às filosofias ocidentais, de matriz eurocentrada e estadunidense, a partir da Perspectiva dos Funcionamentos e, em seguida, acionando a perspectiva do Bem Viver, visando fornecer outras bases teóricas que resguardem uma defesa apropriada de justiça socioambiental para o povo Yudjá/Juruna.</p> Fabio Alves Gomes de Oliveira Maria Clara Dias Copyright (c) 2021 Fabio Alves Gomes de Oliveira, Maria Clara Dias https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 86 108 Conhecimentos locais de pescadores https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13063 <p>Os pescadores artesanais constituem grupos sociais que atribuem significado complexo ao meio marinho e seus fenômenos complementares, constituindo um repertório de conhecimentos válidos que não podem ser desconsiderados na escola. Essa é uma posição teórico-política que reconhece a complexidade dos sistemas sociais e do conhecimento constituído em comunidades que estabelecem seu modo de vida em contato direto com os sistemas ecológicos, como pescadores, marisqueiras, quebradeiras de coco babaçu, entre outras. Nesse estudo etnográfico buscamos compreender os saberes relacionados ao ambiente e à pesca em uma comunidade de pescadores artesanais do Manguezal do Pina/Recife e suas possíveis relações com os conhecimentos e habilidades em geral presentes na educação escolar em ciências. O trabalho de campo foi apoiado em procedimentos de observação participante e registros em diários e entrevistas ao longo de 18 (dezoito) meses. Os resultados apresentam um quadro rico de saberes associados ao cotidiano da pesca e ao ambiente estuarino. A partir deles, fazemos uma discussão sobre a importância dos saberes locais na necessária ressignificação do ensino de ciências, apostando em seu potencial de contribuir tanto com a visibilidade e o reconhecimento dos conhecimentos provenientes de contextos socioculturais diversos do escolar, como também, demarcar uma perspectiva por onde se possa vislumbrar criticamente o ensino de ciências atual e inaugurar novos patamares de ação para uma educação intercultural.</p> Mariana Ribeiro Porto Araujo Carmen Roselaine de Oliveira Farias Rita Paradeda Muhle Copyright (c) 2021 Mariana Ribeiro Porto Araujo, Carmen Roselaine de Oliveira Farias, Rita Paradeda Muhle https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 109 137 Educação e ambiente https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13119 <p>Trata-se da problematização e análise sobre a relação entre educação e ambiente, base de um movimento de resistência social e político em contextos territoriais ribeirinhos na Amazônia Paraense. Visa analisar saberes socioambientais que orientam e/ou emergem das ações desse movimento denominado Moriva, e situar essas ações na dinâmica do cotidiano de comunidades ribeirinhas, na região do Baixo Tocantins, na Amazônia Paraense, complexo territorial de implantação da Usina Hidrelétrica Tucuruí (UHE Tucuruí), projeto tecnicista e subaltenizador dos modos de vida locais. Resulta de uma pesquisa de abordagem qualitativa com o uso de entrevistas semi-estruturadas e análise dos saberes socioambientais do movimento, referenciadas em autores cujos enfoques epistemológicos estão alinhados&nbsp; com o histórico-crítico, dialógico e transformador.&nbsp; Os resultados indicam que por meio de um diálogo entre o conhecimento científico e os saberes práticos do cotidiano foi possível elevar o potencial político-pedagógico que informa a relação entre Educação Ambiental e Movimentos Sociais na construção ativa do conhecimento sobre a realidade ambiental, gestão para a conservação dos recursos naturais que estão na base das práticas de trabalho produção da existência e ações de resistências dos povos águas, que também se constituem no universo das comunidades tradicionais.</p> Maria Graça Silva Marinês de Maria Ribeiro Rodrigues Copyright (c) 2021 MARIA GRAÇA SILVA, Marinês de Maria Ribeiro https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 138 166 Educação ambiental dialógico-crítica: abordagem metodológica e a ética tradicional ribeirinha pantaneira https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13236 <p><strong>Resumo: </strong>este artigo faz parte de uma tese de doutorado de educação ambiental cujo objetivo foi contextualizar a atividade pesqueira profissional artesanal em Cáceres no Pantanal de Mato Grosso. Este trabalho tem como principais referências teóricas os pensamentos freiriano e habermasiano, escopo em que as ações de pesquisa estiveram fundadas na metodologia comunicativo-crítica – MCC. Neste artigo tratamos da relevância da MCC como abordagem metodológica comprometida com a coordenação de ações que objetivam a transformação da sociedade a apartir do diálogo igualitário. Também abordamos as características da ética tradicional ribeirinha pantaneira como proposta de reflexão e diálogo sobre possibilidades de superação comunicativa dos processos de colonização do mundo da vida das pescadoras/es pantaneiras/os.</p> <p><strong>Palavras chave</strong>. Comunidades tradicionais. Educação ambiental. Pescadores. Pantanal. Metodologia comunicativo-crítica. Ética.</p> <p>&nbsp;</p> Silvano carmo de souza Amadeu José Montagnini Logarezzi Erika Patricia Lacerda Dias Souza Copyright (c) 2021 silvano carmo de souza, Amadeu José Montagnini Logarezzi, Erika Patricia Lacerda Dias Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 167 192 ‘Rematriar’ as brasilidades da água https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13246 <p>O debate público sobre a água no Brasil, em particular, e no mundo ocidental e ocidentalizado, no geral, é operado por uma racionalidade instrumental hegemônica, fundante da modernidade ocidental e de sua dupla e obscura face colonial, que expropriou, historicamente, os sentidos outros da água. O presente artigo objetiva analisar a problemática da água a partir de enunciados extramodernos e contra-hegemônicos, oriundos de entrevistas narrativas com representantes de povos e comunidades tradicionais. Os resultados da pesquisa indicam que é preciso ‘rematriar’ as suas brasilidades afro-ameríndias, o que requer a construção de outros imaginários, outras subjetividades e horizontes de sentido, pressupondo outras maquinações e outras modelagens.</p> Franklin de Paula Júnior Sinara Polom Zardo Copyright (c) 2021 Franklin de Paula Júnior, Profa. Dra. Sinara Polom Zardo https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 193 216 Ciência popular do sertão mineiro e educação ambiental de base comunitária https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13240 <p style="text-align: justify; line-height: 18.75pt; background: white; margin: 15.0pt 0cm 15.0pt 0cm;">Neste texto propomos o diálogo de saberes como caminho para a contextualização de propostas educativas às realidades socioambientais de comunidades do município de Chapada do Norte, localizado no coração do Vale do Jequitinhonha. Neste sentido, busca-se o diálogo com uma ciência popular como fonte para a construção de uma perspectiva de Educação Ambiental de Base Comunitária, para tanto, encontramos inspiração na interface entre a Educação Popular, a Pesquisa Participante e a Educação Ambiental Desde El Sur para, através desses referenciais alçar um olhar capaz de produzir uma proposta que faça sentido às populações do sertão mineiro.</p> Daniel Renaud Camargo Celso Sánchez Copyright (c) 2021 Daniel Renaud Camargo, Celso Sánchez https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 217 250 Educação ambiental e humanização https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12989 <p class="western" lang="en-US" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">Este escrito </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">deseja</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"> levantar reflexões sobre a relevância de educação ambiental na atualidade como um mecanismo humanizador por meio da decolonização de </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">pensamentos</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"> e da valorização de saberes e fazeres dos povos tradicionais. Utilizamos como exemplo alguns entendimentos dos Apinayé, povo indígena do norte do estado do Tocantins que luta pela preservação de seu território atual. A pesquisa para este artigo foi bibliográfica e de cunho qualitativo. Os resultados deste trabalho revelam a necessidade de abertura para as epistemologias dos povos tradicionais, a desconstrução de estereótipos sobre estes povos e a valorização de todas as formas de diversidade cultural </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">no âmbito da educação ambiental</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">.</span></span></span></span></p> Walace Rodrigues Copyright (c) 2021 Walace Rodrigues https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 251 272 A educação ambiental “desde el sur” e os seus diálogos com o pensamento contra-colonial brasileiro https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13260 <p>Nesse artigo apresentamos como desenho teórico a articulação do campo da Educação Ambiental (macrotendência crítica) em diálogo com o giro decolonial e o pensamento de Airton Krenak e do Quilombola Nego Bispo a partir da compreensão do padrão pedagógico do conflito socioambiental. Essa encruzilhada de saberes e fazeres estão contribuindo para promover uma desobediência política e epistêmica. Esse pensamento Suleador também é produzido pelos movimentos sociais fazendo emergir saberes “outros” e “enraizados” nos territórios. E percebemos que os argumentos apresentados em diálogo com esse campo teórico permite inferir que esses grupos sociais vivem um processo educativo e provavelmente uma educação ambiental que poderia ser chamada de Desde El Sur.</p> Marcelo Aranda Stortti Copyright (c) 2021 Marcelo Aranda Stortti https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 273 295 Algumas aproximações da educação ambiental com o pensamento decolonial, a ética Ubuntu e o Bem Viver https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13109 <p><strong>Algumas aproximações da educação ambiental com o pensamento decolonial, a ética Ubuntu e o Bem Viver</strong></p> <p><strong>Some enviromental education approaches with decolonial thinking, Ubuntu ethics and well Life&nbsp;</strong></p> <p>Esse trabalho tem como objetivo fundamental propor algumas aproximações e diálogos da educação ambiental com saberes afro-indígenas e contribuir com discussões e práticas que almejam romper com lógicas coloniais. Buscamos articular o meio ambiente, as relações sociais e a subjetividade humana para problematizar o atual momento. Consideramos que a degradação ambiental, a crise sanitária e a mercantilização da vida compõem o sistema-mundo moderno-colonial, regido pelo capitalismo predatório, o patriarcado e o racismo. Alguns autores entendem que vivemos uma policrise, o que exige alternativas sistêmicas. Diante disso, propomos dialogar com a educação ambiental, a decolonialidade, com a ética <em>Ubuntu</em> e o Bem Viver como possibilidades sistemáticas de enfrentamento à crise.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Educação Ambiental. Decolonialidade. Subjetividade humana. Policrise.</p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This work has as fundamental objective to propose some approaches and dialogues of the environmental education with the afro-indigenous knowledge and to contribute for discussions and practices that aim at the break with the colonial logic. We seek to articulate the environment, social relations and human subjectivity to problematize the current moment. We consider that environmental degradation, the health crisis and the commodification of life constitute the modern colonial world-system, governed by predatory capitalism, patriarchy and racism. Some authors understand that we are experiencing an emergence of politics, which requires systemic alternatives. Therefore, we propose to dialogue with environmental education, decoloniality, <em>Ubuntu</em> ethics and Bem Viver as systematic possibilities to face the crisis.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Environmental Education. Decoloniality. Human subjectivity. Polycrisis.</p> Maglis Vieira Martha Tristão Copyright (c) 2021 Maglis Vieira, Martha Tristão https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 296 324 A coisa melhor do mundo é a saúde https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13247 <p class="western" align="JUSTIFY"><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;">Valdira Pitaguary é uma liderança do povo indígena Pitaguary, localizado em Pacatuba, na região metropolitana de Fortaleza – CE. Conhecedora da cultura de seu povo, é guardiã de conhecimentos acerca da utilização das plantas medicinais. Reconhecendo sua importância, este trabalho apresenta alguns dos saberes da anciã, referindo-os como exemplo na construção de uma Educação Ambiental decolonial. As ricas informações, colhidas através de entrevista não diretiva, foram submetidas à análise de conteúdo temática e são debatidas com apoio de autores que sustentam a importância dos saberes tradicionais na construção de novos paradigmas para a superação das problemáticas socioambientais atuais.</span></span></p> Rafael Cardozo Figueredo Júlia Santos Jardim Patricia Limaverde Nascimento Copyright (c) 2021 Rafael Cardozo Figueredo, Júlia Santos Jardim, Patricia Limaverde Nascimento https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 325 354 SCRUTON, Roger. Filosofia Verde: como pensar seriamente o planeta. São Paulo, É Realizações, 2016, 412p. https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12224 Qual o papel da filosofia no enfrentamento dos problemas ambientais? Temas relacionados à preservação ambiental interessam aos conservadores? Como essas questões são por eles compreendidas e tratadas? Conservadores reconhecem as ameaças à destruição dos recursos naturais e suas nefastas consequências? Se reconhecem, quais as soluções por eles propostas? Em que tais propostas diferem do discurso hegemônico do grande movimento ambientalista? Na obra “Filosofia Verde: Como pensar seriamente o planeta”, Roger Scruton aborda tais questões com profundidade, compreendendo que o meio ambiente é o problema mais urgente da atualidade e apresenta princípios norteadores das medidas para a sua proteção, tendo o conservadorismo como referencial teórico. O texto é multidisciplinar, tendo aplicações pertinentes às diversas áreas do conhecimento, inclusive ao campo educacional. José Normando Gonçalves Meira Copyright (c) 2021 JOSÉ NORMANDO GONÇALVES MEIRA https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 829 836 “Quem disse que a gente não pode cair? Quem disse que a gente já não caiu?” https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/12766 <p>Resenha do livro <em>Ideias para adiar o fim do mundo </em>escrito pelo líder indígena, ambientalista e escritor Ailton Krenak e publicado no ano de 2019 pela Editora Companhia das Letras.&nbsp;</p> Tiago Amaral Sales Roberta Paixão Lelis da Silva Copyright (c) 2021 Tiago Amaral Sales, Roberta Paixão Lelis da Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-10-31 2021-10-31 26 1 837 844