Trajetórias e narrativas das transformações dos espaços externos em instituições de Educação nfantil

(re)ligando crianças e natureza no tempo presente

Autores

  • Simoniely Lilian Kovalczuk Universidade Estadual de Maringá
  • Ednéia Regina Rossi Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.13433

Palavras-chave:

história da educação infantil;, ; educação e natureza no tempo presente, espaços externos, cultura material escolar, Educação Ambiental

Resumo

Este artigo, recorte de uma pesquisa de mestrado, parte do pressuposto que os espaços externos das instituições de educação infantil estão sendo considerados, pelos documentos oficiais e pela literatura especializada, como lugares de religamento das crianças com a natureza no tempo presente. Assim, buscou-se analisar o percurso e os percalços do processo de incorporação de elementos da natureza na transformação dos espaços externos de instituições de Educação Infantil de Joinville (SC), operadas no projeto Reinventando o Espaço Escolar. Foram analisados documentos oficiais, entrevistas orais e fotografias, com base nos preceitos de Bardin (2010). O percurso respondeu aos critérios paisagísticos, ambientais e sustentáveis. As limitações espaciais e financeiras figuraram entre os percalços enfrentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simoniely Lilian Kovalczuk, Universidade Estadual de Maringá

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá – PPG/UEM, na Linha de Pesquisa em História e Historiografia da Educação. Integrante do Grupo de Pesquisa em História da Educação Brasileira, Instituições e Cultura Escolar (HEDUCULTES). Professora de Educação Infantil da Rede Municipal de Marialva (PR).

Ednéia Regina Rossi, Universidade Estadual de Maringá

Professora Associada da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003). Líder do Grupo de Pesquisa em História da Educação Brasileira, Instituições e Cultura Escolar (HEDUCULTES). Pesquisadora visitante na Universidade de Genebra /Suíça (2019-2020). Atualmente é membro associado do "Laboratoire de Recherche Innovation, Formation, Éducation" (LIFE), vinculado à Faculdade de ciências da educação da Universidade de Genebra/Suíça.

Referências

ARNHOLDT, B. M. Educação ambiental na educação infantil: as vivências com a natureza no pátio da escola. 2018. Orientadora: Jane Márcia Mazzarino. Dissertação (Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade do Vale do Taqueri, Lajeado, 2018. Disponível em: https://www.univates.br/bdu/handle/10737/2066. Aceso em: 10 jun. 2020.

ÁVILA, M. Como anda a pré-escola? Uma análise das práticas pedagógicas após a lei de ampliação do ensino fundamental (lei 11.274/06). 2014. Orientadora: Rosânia Campos. Dissertação (Mestrado em Educação) – UNIVILLE, Joinville, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BLOWER, H.; AZEVEDO, G. Avaliação pós-ocupação em creche institucional do município do Rio de Janeiro: uma experiência no lugar de educação infantil. Gestão & Tecnologia de Projetos. [S. l.], v. 5, n. 2, p. 99-130. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/gestaodeprojetos/article/view/50988. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros básicos de infra-estrutura para instituições de educação infantil. Secretaria de Educação Básica. Brasília – DF, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros básicos de infra-estrutura para instituições de educação infantil: encarte 1. Secretaria de Educação Básica. Brasília – DF, 2006.

BRASIL. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília – DF, 1996. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 13 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília – DF, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 02 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 07 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília – DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 07 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Estudo propositivo sobre a organização dos espaços externos das unidades do Proinfância em conformidade com as orientações desse programa e as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (DCNEIs) com vistas a subsidiar a qualidade no atendimento. Brasília – DF: 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=33051-educ-infantil-organizacao-espaco-interno-proinfancia-produto03-pdf&category_slug=janeiro-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 04 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Referências curriculares nacionais para a educação infantil: introdução. Brasília – DF, v. 1, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referências curriculares nacionais para a educação infantil: formação pessoal e social. Brasília – DF, v. 2, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referências curriculares nacionais para a educação infantil: conhecimento de mundo. Brasília – DF, v. 3, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as diretrizes curriculares nacionais para educação ambiental. Brasília – DF, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf. Acesso em: 07 abr. 2021.

BUCZENKO, G.L. Educação ambiental nos colégios estaduais do campo localizados nos assentamentos organizados pelo MST. Ambiente & Educação. p. 405- 425, 2020. e-ISSN 2238-5533. Disponível em: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/10976 . Acesso em: 14 jul. 2021.

CARVALHO, I. C. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2012.

EMBRACO. Prêmio embraco de ecologia 2019. [S. l.]. Disponível em: https://www.embraco.com/wp-content/uploads/2019/10/regulamento-pee-2019-2.pdf. Acesso em: 4 abr. 2020.

FOCHI, P. S. Afinal, o que os bebês fazem no berçário?. Comunicação autonomia e saber-fazer de bebês em um contexto de vida coletiva. Porto Alegre: Penso, 2015.

FRAGO, A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1998.

FREITAS, J. V.; RANDIG, V. C.; ZIMMER, M. T.; BECKER, L. Z.; AVILA, M. C. et al. Reinventando o Espaço Escolar. Joinville: Secretaria Municipal de Educação, 2019. E-book. 380 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2020. Disponível em: https://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2020/estimativa_dou_2020.pdf. Acesso em: 4 abr. 2020.

JOINVILLE. Prefeitura Municipal. Base Comum: experiências na aprendizagem da Educação Infantil. Joinville, Prefeitura Municipal, 2012.

JOINVILLE. Prefeitura Municipal. Proposta Pedagógica Municipal para a Educação Infantil. Joinville: Prefeitura Municipal, 2003.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2018.

PROFICE, C. Crianças e natureza: reconectar é preciso. São Paulo: Pandorga, 2016.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2017.

ROSSEAU, J. J. Emílio ou da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SAITO, H. T. História, filosofia e educação: Friedrich Froebel. Curitiba: CRV, 2019.

SILVA, A. T. Ecoformação: reflexões para uma pedagogia ambiental, a partir de Rousseau, Morin e Pineau. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, n. 18, p. 95-104, 2008. e-ISSN 2176-9109. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/view/13428. Acesso em: 07 jun. 2020.

TIRIBA, L. Crianças da natureza. In: Seminário nacional: currículo em movimento - perspectivas atuais, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte, 2010.

TIRIBA, L. Educação infantil como direito e alegria. Laplage em Revista. Sorocaba, v. 3, n. 1, p. 72-86, 2017. ISSN 2446-6220. Disponível em: https://laplageemrevista.editorialaar.com/index.php/lpg1/article/view/286. Acesso em: 02 maio 2021.

ZANELLI, F. F. Sujeitos e tramas presentes na transformação do parque de um Centro de Educação Infantil paulistano. 2017. Orientadora: Rita de Cassia Gallego. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Kovalczuk, S. . L., & Rossi, E. R. . (2022). Trajetórias e narrativas das transformações dos espaços externos em instituições de Educação nfantil: (re)ligando crianças e natureza no tempo presente. Ambiente &Amp; Educação, 27(1), 1–27. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.13433