Cartas Pedagógicas como estratégia didática e prática de formação sensível de professores/as para uma Educação Estético-Ambiental

Autores

  • Francéli Brizolla Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA
  • Cristina Cardoso Universidade Federal do Paraná - setor Litoral https://orcid.org/0000-0002-6901-780X

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.14286

Palavras-chave:

Educação estético-ambiental; Formação de professores/as; Educação sensível; Cartas pedagógicas; Ensino remoto emergencial.

Resumo

O presente artigo apresenta a discussão de intervenção pedagógica ocorrida na disciplina “Tópicos de educação estético-ambiental”, nos cursos de Licenciaturas Línguas Adicionais: Inglês, Espanhol e respectivas literaturas e Química, da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), em 2020/2. O objetivo foi promover uma formação com base na sensibilização e na humanização. O gênero textual carta pedagógica foi escolhido como meio de comunicação para promover interação entre os/as estudantes. A metodologia da leitura das cartas foi contraponto à celeridade da comunicação estabelecida nos meios de comunicação tecnológicos, especialmente no contexto do ensino remoto e, ainda, uma forma de vazão dos sentimentos em relação à docência, culminando com o estabelecimento de relações com as emoções constitutivas da futura carreira, valorização dos afetos e saberes sensíveis e motivação aos futuros docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francéli Brizolla, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Licenciada em Educação Especial, Mestre e Doutora em Educação na área de política e gestão da educação/políticas públicas de inclusão escolar. Líder do Grupo INCLUSIVE (Grupo de Estudos e Pesquisa em Inclusão e Diversidade na Educação Básica e no Ensino Superior - UNIPAMPA). Coordenadora da Especialização Alternativas para uma nova educação (ANE) - UFPR Litoral. Atua como docente no Ensino Superior, na formação de educadores e em atividades de ensino, pesquisa e extensão na área da Inclusão e Acessibilidade, no Curso de Letras Línguas Adicionais e no Mestrado Acadêmico em Ensino (UNIPAMPA campus Bagé). Gaúcha, mãe de Giovana, João e Mariah Flor. Reside em Bagé, RS.

{ PROJETOS:

Pesquisas:

“Educação inclusiva no Pampa Gaúcho: construindo práticas inclusivas com vistas à quebra de barreiras e acessibilidade pedagógica e atitudinal”

“Inclusão de Alunos com Deficiência e/ou Necessidades Educacionais Específicas no Ensino Superior: experiências e desafios durante a pandemia no ano de 2020”

Extensão: “Programa de Extensão Tertúlias Inclusivas do Pampa”

{ Grupo de pesquisa (líder): INCLUSIVE – Grupo de Estudos e Pesquisas em Inclusão e Diversidade na Educação Básica e Superior – INCLUSIVE/Unipampa

{ Participação em outros grupos:

GRUPI - Grupo de Pesquisa em Inovação Pedagógica na Formação Acadêmico-Profissional de Profissionais da Educação - Grupi/Unipampa

GIMEPID - Grupo Interinstitucional Minuano de Estudos e Pesquisa em Inclusão e Diversidade/Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) e Universidade Federal do Paraná (UFPR Litoral).

Cristina Cardoso, Universidade Federal do Paraná - setor Litoral

Possui graduação em Letras (1998). Mestrado em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria -UFSM (2001). Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2013). Atuou na Educação Básica por 6 anos - nos ensinos Fundamental e Médio. No ensino superior, tem experiência docente no ensino presencial e EaD com ênfase em Letras, com interesses voltados especialmente às seguintes áreas: literaturas e outros sistemas semióticos, estudos da memória e identidade, formação de professores. Faz parte da equipe de especialistas (Espanhol) do Idiomas sem Fronteiras/ Andifes. Membro dos grupos de pesquisa "Ensino e aprendizagem de línguas: uma abordagem quantitativa". Integra grupo de avaliadores ad hoc de cursos superiores do INEP/SINAES/BASis.

Referências

AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph Donald; HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. 2.ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1978.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20 dez. 2021.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei n. 9795/99. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente e Ministério da Educação. Brasília: MMA e MEC, 2014. 4.ed. 113p. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/98-pronea>. Acesso em: 01 ago. 2018.

BRIZOLLA, Francéli; FREITAS, Diana Paula Salomão De.; MELLO, Elena M. Billig; OLIVEIRA, Nara Rosane M. de. (Orgs.). Experiências didático-pedagógicas com educação estético-ambiental na formação acadêmico-profissional. Veranópolis: Diálogo Freireano, 2020.

DICKMANN, Ivanio. As dez características de uma carta pedagógica. IN: PAULO, Fernanda dos Santos; DICKMANN, Ivo (Org.). Cartas pedagógicas: tópicos epistêmico-metodológicos na educação popular. 1. ed. Chapecó: Livrologia, 2020. (Coleção Paulo Freire; v. 2). p. 35-53.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

IRALA, Valesca Brasil. Inovação na formação de professores de espanhol: a experiência em um curso de letras/línguas adicionais. IN: FERNÁNDEZ, Gretel Eres; BAPTISTA, Lívia Márcia Tíba Radís; SILVA, Antonio Messias Nogueira da (orgs.) Enseñanza y aprendizaje del español en Brasil: aspectos lingüísticos, discursivos e interculturales. Brasília: Consejería de Educación de la Embajada de España en Brasil, 2016, p. 171-184.

KRASILCHIK, M. Pesquisa em Educação Ambiental: tendências e percepção ambiental. Educação Teoria e Prática, v.9, n.16-17, p.43-45, 2001.

MAIA, Jorge Sobral da Silva. Problemáticas da Educação Ambiental no Brasil: elementos para a reflexão. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental – REMEA, v.32, n.2, p. 283-298, jul./dez. 2015. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5544>. Acesso em: 15 ago. 2018.

NÓVOA, António. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

SCHLINDWEIN, Luciane Maria (Org.). Estética e pesquisa: formação de professores. Itajaí: Editora UNIVALI: Ed: Maria do Cais, 2006.

SEVERO DOS SANTOS, Daren C. Formação mais integral do sujeito. IN: BRIZOLLA, Francéli; FREITAS, Diana Paula Salomão de; MELLO, Elena Maria Billig; OLIVEIRA, Nara Rosane M. de. (Orgs.). Experiências didático-pedagógicas com educação estético-ambiental na formação acadêmico-profissional. Veranópolis: Diálogo Freireano, 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma Introdução às Teorias de Currículo. 3. ed. Editora Autêntica. 2010.

SILVEIRA, Wagner Terra; FREITAS, Diana Paula Salomão de; ESTÉVEZ, Pablo René. O que é educação estético-ambiental. IN: BRIZOLLA, Francéli; FREITAS, Diana Paula Salomão de; MELLO, Elena Maria Billig; OLIVEIRA, Nara Rosane M. de. (Orgs.). Experiências didático-pedagógicas com educação estético-ambiental na formação acadêmico-profissional. Veranópolis: Diálogo Freireano, 2020. p. 33-34.

VASCONCELLOS, Celso. Metodologia Dialética em Sala de Aula. Revista de Educação AEC, Brasília, abr. 1992, n. 83.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Brizolla, F., & Cardoso, C. (2022). Cartas Pedagógicas como estratégia didática e prática de formação sensível de professores/as para uma Educação Estético-Ambiental. Ambiente &Amp; Educação, 27(1), 1–33. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.14286

Edição

Seção

Educación Estético-Ambiental (EEA): fundamentos, saberes y práctica