Educação Ambiental no processo formativo de professores:

Nunca vi, nem vivi, eu só ouço falar

Autores

  • Alexsandro Ferreira de Souza Silva Universidade Estadual do sudoeste da Bahia
  • Thais Mendes dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.13561

Palavras-chave:

Desafios, . Formação de Professores, Interdisciplinaridade, Minicurso

Resumo

O presente artigo tem por objetivo, demonstrar as possibilidades para se trabalhar a Educação Ambiental de forma interdisciplinar nas Instituições de Ensino e também analisar como os professores têm inserido a EA em suas práticas docentes. É uma pesquisa de abordagem qualitativa que apresenta os resultados referentes a um questionário aplicado há 8 participantes de um minicurso. O questionário contou com 3 questões relacionadas ao que os cursistas concebiam por Educação Ambiental, e outras duas relacionadas ao contado que estes tiveram com a EA tanto na educação básica como na graduação. Foi possível constata que grande parte dos participantes tiveram pouco contato com a Educação Ambiental na educação básica e na graduação sendo que as abordagens presentes nesses espaços atendem, principalmente, a uma perspectiva biologizante. Percebeu-se ainda que a maioria dos cursistas também possuem uma visão da Educação Ambiental assentada numa esfera naturalista e conservadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexsandro Ferreira de Souza Silva, Universidade Estadual do sudoeste da Bahia

Mestrando em Educação Científica e Formação de Professores (PPGECFP) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental e Formação de Professores (GPEA-FP).

Thais Mendes dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Educação Científica e Formação de Professores (PPGECFP) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental e Formação de Professores (GPEA-FP).

Referências

ANDRADE, Maria Carolina Pires; PICCININI, Claudia Lino. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular: retrocessos e contradições e o apagamento do debate socioambiental. IX EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental, Juiz de Fora - MG, 2017

AMARAL, Anelize Queiroz. Educação Ambiental e a dimensão política: um estudo de caso do programa de formação de educadores ambientais da usina hidroelétrica Itaipu Binacional. 2018. 306 f. Tese (doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2018.

ARAÚJO, Thiago Cássio d´Ávila. Direito Ambiental. Brasília: Fortium, 1ª ed., 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977. 225 p.

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Educação/SETEC. Currículo Referência: políticas públicas para a educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC, 2004.

FRAGOSO, E; NASCIMENTO, E.C.M. A Educação Ambiental no Ensino e na Prática escolar da escola estadual Cândido Mariano. AMBIENTE & EDUCAÇÃO, Aquidauana/ MS, Vol. 23, n. 1, 2018.

FILHO, Fernando de Oliveira Novais; CHAVES, Andreia Barreto; SILVA, Alexsandro Ferreira de Souza; SILVA, Silvana do Nascimento. Aproximações e distanciamentos de um grupo de mestrandos em educação científica e formação de professores sobre educação ambiental. Rev. Iniciação a Docência. UESB, Jequié, 2021.

KRUGUER, Eduardo L. Uma abordagem sistêmica da atual crise ambiental. In

DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE, Curitiba, n. 4, p. 38, 49 e 367, 2001.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da Lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. LOUREIRO, F.; LAYARGUES, P.; CASTRO, R. (Orgs.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. Cortez, São Paulo, 2002

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Para que a educação ambiental encontre a educação. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. Cortez, São Paulo, 2004a.

LOPES, Debora Cristina. LEVANTAMENTO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL EM CURITIBA/PR. Revista Educação Ambiental em Ação. Rio Claro, SP, 2013.

MANEIA,Arismar. A responsabilidade ambiental da Universidade na formação humana. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. Santa Maria, 2016, v. 20.

MEDINA, Naná Meninni. Educação ambiental: uma metodologia participativa de formação. Vozes. Petrópolis - RJ,,1999.

OLIVEIRA, Ana Maria Soares. Relação Homem/Natureza no Modo de Produção Capitalista. Rev. Pegada, v.3, 2002.

PEDRINI, Alexandre de Gusmão. Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. Vozes, Rio de Janeiro, 1998.

PIRES, E.A.C, COSTA, E.P.S, PACANHELA-BORGES, F, MOREIRA, A.L.O.R. Reflexões sobre a Educação Ambiental quanto a formação do professor pedagogo no contexto de pandemia: Contribuições para o fortalecimento da Justiça Social e Ambiental. Revbea, São Paulo, V. 15, No 4: 456-455, 2020

PIAZZA, Cesar Augusto Della. EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO. Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. ENGEMA. São Paulo, 2015.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ed. Atlas, São Paulo, 1999.

UNESCO – (1997) Organização das Nações Unidas para a educação, Consequências das catástrofes naturais ou causadas pelo ser humano.

Silva, Alexsandro Ferreira de Souza; Bastos, Adson dos Santos; Pinho, Maria José de Souza. Educação Ambiental e sustentabilidade nos cursos de licenciatura da Universidade do Estado da Bahia - Campus VII. RevBEA, 16(3), 362–376, 2021.

SOUZA, Maria das Graças Gomes. HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL. Monografia. Universidade de Brasília/Universidade Estadual de Goiás, 2011.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Ferreira de Souza Silva, A., & Mendes dos Santos, T. . (2022). Educação Ambiental no processo formativo de professores: : Nunca vi, nem vivi, eu só ouço falar . Ambiente &Amp; Educação, 27(1), 1–23. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i1.13561