Ecocídio e o caso do povo Yudjá/Juruna no Alto do Xingu

Por uma justiça socioambiental, à luz da perspectiva dos funcionamentos

Autores

  • Fabio Alves Gomes de Oliveira Universidade Federal Fluminense
  • Maria Clara Dias Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Ecocídio, Racismo Ambiental, Yudjá/Juruna, Bem Viver, Perspectiva dos Funcionamentos

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar e questionar as injustiças socioambientais contra o povo Yudjá/Juruna na região da Volta Grande do Xingu. Focaremos em caracterizar as ações perpetradas pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte como formas de ecocídio e racismo ambiental, heranças coloniais que ainda são perpetradas contra a população indígena da região. Defenderemos que o dano ao ecossistema é uma violação à cosmoperspectiva e, consequentemente, à integridade do povo Yudjá/Juruna. Para sustentar tal posicionamento, dedicaremos nossas críticas às filosofias ocidentais, de matriz eurocentrada e estadunidense, a partir da Perspectiva dos Funcionamentos e, em seguida, acionando a perspectiva do Bem Viver, visando fornecer outras bases teóricas que resguardem uma defesa apropriada de justiça socioambiental para o povo Yudjá/Juruna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Alves Gomes de Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Professor de Filosofia da Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), atuando no curso interdisciplinar em Educação do Campo. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS/UFF). Coordenador do Laboratório de Ética Ambiental e Animal (LEA).

Maria Clara Dias , Universidade Federal do Rio de Janeiro

Maria Clara Dias é doutora em Filosofia pela Freie Universität Berlin (1993) e Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É pesquisadora do CNPq e Cientista do Nosso Estado (FAPERJ). Membro do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS/UFRJ). Coordena os Grupos de Pesquisa Direitos Sociais Básicos, Justiça Social e Políticas Públicas (CNPq); Nós: Dissidências Feministas (CNPq); e o Núcleo de Inclusão Social (NIS-UFRJ)

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. 2ª Edição. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

ANDRADE, F. M. R. “Educação ambiental em miradas integrativas e restaurativas: currículos educativos na Amazônia”. Revista Espaço do Currículo, v. 3, n. 11, 31 dez. 2018. p. 297 – 310. Acesso em 10/02/2020 Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.41937/21906 .

DIAS, M. C. (org.) A Perspectiva dos funcionamentos: por uma concepção de justiça mais inclusive. Rio de Janeiro: Editora Pirilampo, 2015.

___. Sobre nós: expandindo as fronteiras da moralidade. Rio de Janeiro: Editora Pirilampo, 2016.

___. Feminismo e decolonialidade: contribuições de María Lugones para a promoção da justiça em sociedades periférias. In. DIAS, M. C. et, al. (Org.). Feminismos decoloniais: homenagem a María Lugones. Rio de Janeiro: Editora Ape´Ku, 2020

GALEANO, E. Os filhos dos dias. L&PM Editores, 2012.

HABERMAS, J.: Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HERCULANO, S. “O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental”. INTERFACEHS – Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente - v.3, n.1, Artigo 2, jan./ abril 2008.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Verbete: Yudjá/Juruna. In.: Povos indígenas no Brasil. LIMA, T. S.; MACEDO, E. 2001. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Yudjá/Juruna

___. Xingu, o rio que pulsa em nós: monitoramento independente para registro de impactos da UHE Belo Monte no território e no modo de vida do povo Juruna (Yudjá) da Volta Grande do Xingu. 1ª ed. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2018.

FRASER, N; HONNETH, A. Redistribution or Recognition? A political-philosophical Exchange. New York: Verso, 2003.

NUSSBAUM, M. Frontiers of Justice, Disability, Nationality and Species Membership. Cambridge: Harvard University Press, 2007.

QUIJANO, A. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO. p. 117 – 142, 2005.

RAWLS, J. Justiça como equidade: uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

RIBEIRO, R. PACHECO, T. Mapa de conflitos causados por Racismo Ambiental no Brasil, 2007. Disponível em https://seppirhomologa.c3sl.ufpr.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/3032/Mapas%20de%20conflitos%20causados%20por%20Racismo%20Ambiental%20no%20Brasil.pdf?sequence=-1&isAllowed=y

SEN, A. Desigualdade reexaminada. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

de Oliveira, F. A. G., & Dias , M. C. (2021). Ecocídio e o caso do povo Yudjá/Juruna no Alto do Xingu: Por uma justiça socioambiental, à luz da perspectiva dos funcionamentos. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 86–108. Recuperado de https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13177

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"