Sistema de Cotas e Conflitos Raciais Violentos no Brasil em Tempo de Políticas de Ação Afirmativa:

fato ou suposições infundadas?

Autores

  • Sales Augusto Santos Universidade Federal de Viçosa (UFV)
  • Matheus Freitas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i27.14071

Palavras-chave:

Palavras-chave: Universidades Públicas; Conflitos Raciais Violentos; Sistema de Cotas.

Resumo

O sistema de cotas para estudantes negros/as ingressarem em universidades públicas começou a ser implantado no Brasil no início da década de 2000. Durante toda essa década houve debates febris entre intelectuais, com argumentos pró e contra, sobre esse sistema. Após vinte anos da implantação do primeiro sistema de cotas, o da UERJ, buscou-se, por meio deste artigo, verificar se um dos argumentos contrário às cotas era e/ou ainda é procedente: a suposição de que a sua implementação promoveria conflitos raciais violentos nas universidades públicas. Foi realizada uma breve incursão histórica no período republicano, com vistas a verificar se havia histórico de conflitos raciais violentos no Brasil. Também foram feitas pesquisas de levantamento (com survey), em 69 universidades federais, e documental (com dissertações, teses e artigos acadêmico-científicos) com o mesmo objetivo. Constatou-se que suposições desses conflitos não eram novas no Brasil, assim como também não se concretizaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sales Augusto Santos, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Possui graduação (1990), mestrado (1997) e doutorado (2007) em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB). Pós-doutorado pelo Department of African & African Diaspora Studies (DAADS) at the University of Wisconsin Milwaukee (UWM) (2019-2020) e pelo Department of Africana Studies at Brown University (2012-2013). Tem experiência em pesquisas na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia das Relações Raciais e Educação das Relações Étnico-Raciais. Estuda e pesquisa os seguintes temas: movimentos sociais negros, discriminação racial, racismo, diversidade e desigualdades raciais, políticas de ação afirmativa (e/ou cotas raciais) no ensino superior e políticas de promoção da igualdade racial. Foi um dos Coordenadores Responsáveis pelo "Grupo de Trabalho - Publicações" da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), no período de agosto de 2008 a julho de 2010, assim como foi um dos Coordenadores da "Série Violência em Manchete", no período de 1998 a 2002, do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH). Recebeu da Latin American Studies Association (Associação de Estudos Latino-Americanos - LASA), no ano de 2009, o prêmio Martin Diskin Dissertation Award de melhor tese de doutorado. É membro da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS), da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), da Latin American Studies Association (LASA), da Brazilian Studies Association (BRASA). Também foi membro da Anti-Harassment Task Force from Latin American Studies Association (LASA), no período de maio de 2018 a julho de 2020. Atualmente é Professor Visitante no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa-MG, Brasil.

Matheus Freitas, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestrando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE/UFMG) na linha de pesquisa Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas. Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Integrante do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB Viçosa) e do Grupo de Estudos em Educação, Gênero e Raça (EDUCAGERA). Tem interesse em Ciências Sociais e Educação, especialmente nos seguintes temas: relações étnico-raciais e ações afirmativas.

Referências

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALMEIDA, Tânia; ZANELLO, Valeska. Panoramas da violência contra mulheres nas universidades brasileiras e latino-americanas. Brasília: OAB Editora, 2022.

ANISTIA INTERNACIONAL. Você matou meu filho: homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Anistia Internacional, 2015.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Anti-racismo e seus paradoxos: reflexões sobre cota racial, raça e racismo. São Paulo: Annablume, 2004.

BRASIL. Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Acesso à Informação. Manifestação nº 23546.079599/2021-85, de 16 de novembro de 2021, 2021a.

______. Universidade Federal de Goiás (UFG). Acesso à Informação. Manifestação nº 23546.079581/2021-83, de 16 de novembro de 2021, 2021b.

______. Universidade Federal do Pará (UFPA). Acesso à Informação. Manifestação nº 23546.079578/2021-60, de 16 de novembro de 2021, 2021c.

______. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, 2012b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 19/12/2020.

______. Supremo Tribunal Federal (STF). Acórdão da ADPF 186, de 25 e 26 de abril de 2012, 2012a. Disponível em: https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=6984693. Acesso em: 01/06/2021.

______. Presidência da República. Secretaria Geral. Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil. Brasília: Secretaria-Geral da Presidência da República e Secretaria Nacional de Juventude, 2015.

______. Lei nº 10.741, de 01 de outubro de 2003, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm. Acesso em: 13/08/2021.

CARDOSO, Fernando Henrique. Le Préjugé De Couleur Au Brésil. Présence Africaine, nº 53, p. 120–128, 1965.

CARVALHO, José Jorge. Usos e abusos da antropologia em um contexto de tensão racial: o caso das cotas para negros na UnB. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 237-246, 2005.

CERQUEIRA, Daniel; BUENO, Samira (org.). Atlas da Violência 2020. Brasília: IPEA, 2020.

CIEGLINSKI, Amanda. Política de cotas divide país em negros e brancos, defende antropóloga. Portal EBC. Agência Brasil. 17 de novembro de 2008. Brasília, 2008. Disponível em: http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/noticia/2008-11-17/politica-de-cotas-divide-pais-em-negros-e-brancos-defende-antropologa. Acesso em: 17/08/2021.

COSTAS, Ruth. O legado dos 13 anos do PT no poder em seis indicadores internacionais. BBC Brasil, 13 de maio 2016. São Paulo, 2016. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/05/160505_legado_pt_ru. Acesso em: 13/08/2021.

DEGLER, Carl N. Nem preto nem branco: escravidão e relações raciais no Brasil e nos E.U.A. Rio de Janeiro: Labor do Brasil, 1976.

ENMZ – Executiva Nacional da Marcha Zumbi. Por uma política nacional de combate ao racismo e à desigualdade racial: marcha Zumbi contra o racismo, pela cidadania e vida. Brasília: Cultura Gráfica e Ed., 1996.

FERES JÚNIOR, João et al. Ação A¬firmativa: conceito, história e debates. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018.

FERNANDES, Florestan. Consciência negra e transformação da realidade. Brasília: Câmara dos Deputados, 1994.

______. O significado do protesto negro. São Paulo: Cortez, 1989.

______. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática. 2v, 1978.

FREITAS, José Itamar de (org.). Brasil Ano 2000: o futuro sem fantasia. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1969.

FRY, Peter et al. (org.). Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GIDDENS, Anthony; SUTTON, Philip W. Conceitos essenciais de Sociologia. São Paulo: Editora Unesp, 2016.

GRIN, Monica. “Raça”. Debate Público no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad/FAPERJ, 2010.

HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HASENBALG, Carlos A.; SILVA, Nelson do V. Estrutura social, mobilidade e raça. São Paulo/Rio de Janeiro: VERTICE/IUPERJ, 1983.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

IIESP – Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa. Mapa das ações afirmativas no Brasil: instituições públicas de ensino superior. Brasília: Universidade de Brasília/IIESP; MCTI /CNPq, SEPIR, MC/FCP, 2012.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das desigualdades de gênero e raça. 4. ed. Brasília: IPEA/ONU Mulheres/SPM/SEPPIR, 2011.

MAESTRI FILHO, Mário. 1910: a revolta dos marinheiros. São Paulo: Global, 1982.

MAGGIE, Yvonne. Racialismo e violência nos campi. Portal G1. Blog da Yvonne Maggie. 07 jun. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/pop-arte/blog/yvonne-maggie/post/2019/06/07/racialismo-e-violencia-nos-campi.ghtml. Acesso em: 13/08/2021.

______. Identidade e Violência. Portal G1. Blog da Yvonne Maggie. 17 ago. 2011, 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/platb/yvonnemaggie/2011/08/17/identidade-e-violencia/. Acesso em: 13/08/2021.

______. Política de cotas e o vestibular da UnB ou a marca que cria sociedades divididas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 286-291, 2005.

MAGGIE, Yvonne; FRY, Peter. A reserva de vagas para negros nas universidades brasileiras. Estudos Avançados: revista do IEA da USP, São Paulo, v. 18, n. 50, p. 67-80, 2004.

MAGNOLI, Demétrio. Uma gota de sangue: história do pensamento racial. São Paulo: Contexto, 2009.

MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura. Políticas de cotas raciais, os “olhos da sociedade” e os usos da antropologia: o caso do vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 292-308, jan./jun, 2005.

MARCONDES, Mariana Mazzini et. al. (org.). Dossiê Mulheres Negras: retrato das condições de vida das mulheres no Brasil. Brasília: IPEA, 2013.

MOREL, Edmar. A revolta da chibata. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

MOURA, Clóvis. A Dialética radical do Brasil negro. São Paulo: Editora Anita, 1994.

______. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

______. As Raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

NASCIMENTO, Abdias. Povo negro: a sucessão e a Nova República. Rio de Janeiro: IPEAFRO, 1985.

______. O genocídio do negro brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Abdias; NASCIMENTO, Elisa Larkin. O Negro e o Congresso Brasileiro. In: Munanga, Kabengele (org.). O negro na sociedade brasileira: resistência, participação, contribuição. Brasília: Fundação Cultural Palmares-MINC. v. 1, 2004.

______. Reflexões sobre o movimento negro no Brasil, 1938-1997. In: Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo; Huntley, Lynn. Tirando a máscara. Ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

PASQUINO, Gianfranco. Conflito. In: Bobbio, Norberto; Matteucci, Nicola; Pasquino, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: EdUnB, 1998.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. O Negro e a Universidade brasileira. História Actual Online. Núm. 3 (Invierno), p. 73-82, 2004.

RAÇA & CLASSE. Órgão de Informação e Divulgação da Comissão do Negro do PT-DF. Brasília: CNPT-DF, ano 1, nº 2, agosto/setembro, 1987.

SANTOS, Jocélio Teles dos. Dilemas nada atuais das políticas para os afro-brasileiros. Ação afirmativa no Brasil dos anos 60. In: Barcelar, Jeferson; Caroso, Carlos (org.). Brasil: um país de negros? Rio de Janeiro: Pallas; Salvador: CEAO, 1999.

SANTOS, Jocélio Teles do; QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. O impacto das cotas na Universidade Federal da Bahia (2004-2012). In: SANTOS, Jocélio Teles dos (Org.). O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador: CEAO, 2013.

SANTOS, Renato E. Nascimento dos. Políticas de cotas raciais nas universidades brasileiras – o caso da UERJ. In: Gomes, Nilma Lino (org.). Tempos de lutas: ações afirmativas no contexto brasileiro. Brasília: MEC/SECAD, 2006.

SIMMEL, Georg. A natureza sociológica do conflito. In: Moraes Filho, Evaristo (org.). Georg Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

SOUZA, Nelson Mello. Crise Racial no Brasil – Ano 2000. In: Freitas, José Itamar de (org.). Brasil Ano 2000: o futuro sem fantasia. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1969.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2014. Os jovens do Brasil. Brasília: SGPR/SNJ/ Seppir, 2014.

Downloads

Publicado

2022-06-23

Como Citar

Santos, S. A., & Freitas, M. (2022). Sistema de Cotas e Conflitos Raciais Violentos no Brasil em Tempo de Políticas de Ação Afirmativa: : fato ou suposições infundadas?. Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(27), 16–49. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i27.14071

Edição

Seção

Artigos Livres