https://seer.furg.br/rbhcs/issue/feed Revista Brasileira de História & Ciências Sociais 2021-11-19T11:05:30-03:00 Prof. Dr. José Cardozo jcardozo@furg.br Open Journal Systems <p><strong>Revista Brasileira de História &amp; Ciências Sociais</strong> - RBHCS</p> <p>ISSN 2175-3423</p> <p>Qualis Capes A3 (Qualis referência 2017/2018)</p> <p><strong>Universidade Federal do Rio Grande - FURG</strong></p> https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13678 Expediente RBHCS 26 2021-11-05T15:17:29-03:00 Editores RBHCS j_fachini@hotmail.com 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Editores RBHCS https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13666 República Bolivariana da Venezuela: uma sociedade em debandada, um regime político em negação, um continente inteiro sob pressão migratória. As migrações como consequência da geopolítica global no século XXI. 2021-11-02T15:53:54-03:00 Pedro Góis pmgois@gmail.com João Carlos Jarochinski Silva jcsilva98@hotmail.com <p>.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Pedro Góis, João Carlos Jarochinski Silva https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13664 Apresentação do Volume 13 Número 26 da Revista Brasileira de História & Ciências Sociais 2021-11-02T14:45:40-03:00 Denize Terezinha Leal Freitas denizehistoria@gmail.com Fabiano Quadros Rückert fabianoqr@yahoo.com.br Jonathan Fachini da Silva j_fachini@hotmail.com José Carlos da Silva Cardozo jcs.cardozo@gmail.com Tiago da Silva Cesar tiagocaesar@hotmail.com Wagner Silveira Feloniuk wagner@feloniuk.com 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Denize Terezinha Leal Freitas, Fabiano Quadros Rückert, José Carlos da Silva Cardozo, Tiago da Silva Cesar, Wagner Silveira Feloniuk https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13624 Hobsbawm: uma vida na história e a história de uma vida 2021-10-18T19:38:18-03:00 Vinícius de Oliveira Masseroni vinicius.masseroni@gmail.com <p>Resenha do livro: EVANS, Richard J. <strong>Eric Hobsbawm:</strong> uma vida na história. São Paula: Planeta, 2021.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Vinícius de Oliveira Masseroni https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12416 A atuação de Rodrigues Alves no Ministério da Fazenda (1891-1892 e 1894-1896) 2020-12-16T08:19:02-03:00 Gustavo Pereira da Silva gustavopsilva@ufscar.br <p>Francisco de Paula Rodrigues Alves, nascido em Guaratinguetá-SP em 1848, teve uma longeva carreira política, iniciada como deputado provincial e que teve como ápice as duas vezes em que foi eleito presidente da República. Em meio aos cargos eleitorais, ele teve duas passagens como Ministro da Fazenda (novembro de 1891 a agosto de 1892; novembro de 1894 a novembro de 1896). Em que pese a existência de uma historiografia sobre a vida e obra de Rodrigues Alves, ela pouco se debruçou sobre suas propostas e tentativas de ação quando ministro, tampouco fez o confronto destes aspectos com o debate econômico nacional do final do século XIX. Dessa forma, o artigo busca dar uma contribuição ao estudo da atuação ministerial de Rodrigues Alves, utilizando como base documental os Relatórios do Ministério da Fazenda para os anos de 1891, 1894 e 1895. Constata que o conservadorismo que Rodrigues Alves demonstrou desde os tempos de estudante o guiou na sua vida ministerial, expressando-se pela sua luta pelas finanças saudáveis do Estado.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Gustavo Pereira da Silva https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12985 A história social dos cemitérios em Alfenas entre 1902 e 1921 2021-05-07T10:04:28-03:00 Alisson Eugênio alissoneugenio@yahoo.com.br <p>Ao longo deste artigo será apresentado uma pesquisa, baseada nos registros de óbitos do município de Alfenas, sul de Minas Gerais, na qual foram confrontadas as causas das mortes e os perfis sociais dos mortos para compreender as condições de saúde pública do referido município. Assim, procurou-se investigar quais eram os problemas de saúde mais mortíferos e quais as parcelas da população eles mais afetavam. Partindo dessas questões, com base na documentação e na historiografia especializada no campo de estudos da história das doenças, da medicina e da saúde, observou-se que grande parte da mortalidade está relacionada com a pobreza, a carência de uma política de saúde pública preventiva e às dificuldades dos saberes médico e farmacêutico para solucionar problemas para os quais eles ainda não estavam preparados.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 ALISSON EUGENIO https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13268 Questionando a Narrativa dos Museus da Escravatura 2021-09-07T10:03:09-03:00 Alessandra Ficarra alessandra.ficarra@unical.it <p>Os museus comemorativos têm a possibilidade de representar e reescrever a história. Apesar de qualquer museu ter o poder de tornar uma história visível e de estabelecer a sua interpretação, o tratamento de histórias globais dentro de um sistema orientado pelo Ocidente está sempre a prevalecer. Actualmente, movimentos de reconhecimento da identidade das minorias sociais e étnicas estão a florescer em todo o mundo: comunidades outrora marginalizadas e silenciadas apelam agora a uma análise mais profunda da construção da identidade, questionando e reescrevendo a sua história. Como estudo de caso do meu doutoramento, trouxe o Museu Internacional da Escravatura de Liverpool para Angola, a fim de adquirir uma leitura alternativa da exposição mais premiada do mundo, e dar voz a uma audiência até agora não ouvida. Visitantes de Angola – de cujas costas milhões de africanos escravizados foram enviados para as América – viraram finalmente a perspectiva interpretativa expressando as suas opiniões.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Alessandra Ficarra https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12437 Cururueiros no Pantanal sul-mato-grossense 2021-03-02T14:13:33-03:00 Divino Marcos de Sena divinosena@yahoo.com.br <p class="western" style="margin-bottom: 0.35cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">O cururu e o siriri são folguedos populares existentes no Pantanal brasileiro, a maior planície alagável do planeta. Esses complexos musicais e coreográficos são repletos de simbologias para os seus praticantes tradicionais. Os cururueiros portam um conjunto saberes e práticas que eram transmitidos oralmente e entre familiares e amigos, sobretudo em ambientes rurais. Esse conjunto, intitulado “Modo de Fazer Viola-de-Cocho”, foi registrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como Patrimônio Cultural. Apesar disso, ele corre o risco de desaparecer nos municípios de Corumbá e Ladário em Mato Gro</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">sso do Sul. Essa é uma das abordagens deste artigo que apresenta as percepções dos cururueiros frente a tal problema, além de analisar os perfis desses indivíduos e o que foi alterado em suas vidas com o reconhecimento nacional dado aos saberes que possuem.</span></span></span></p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Divino Marcos de Sena https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13147 La Dieta de Maduro 2021-10-27T21:22:45-03:00 Iana Vasconcelos ianavasconcelos@yahoo.com.br Sandro Santos sandro.almeida@gmail.com <p>O artigo revisa a posição da Venezuela na geopolítica internacional e as mudanças políticas e econômicas ocorridas no país nas últimas décadas. Esse panorama contribui para o entendimento da chamada “crise humanitária” que transborda as fronteiras nacionais. Para muitos/as venezuelanos/as, entrevistados/as durante pesquisa de campo entre 2016-2020, a migração venezuelana para o Brasil se explica como a fuga de <em>La</em> <em>Dieta de Maduro, </em>uma anedota que expressa descontentamento com o regime político em vigor e culpabiliza o presidente da República pelo desabastecimento de gêneros alimentícios no país. Partindo desse conceito “nativo”, de caráter polifônico, apresentamos o emaranhado de interesses políticos e econômicos, internos e externos, que promovem a instabilidade social, as restrições alimentares e impulsiona os movimentos de emigração. Por fim refletimos sobre a relação entre uma “política da crise”, pactuada internacionalmente, e o estado de “crise política” na Venezuela.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Iana Vasconcelos, Sandro Santos https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13665 Venezuela 1936 – 2021: 2021-11-02T15:34:28-03:00 Emilio Osorio Alvarez osorioalvarez.emilio@gmail.com Mauricio Phélan mauricio.phelan@gmail.com Carlos Viso escribidor19@gmail.com <p>Revisar la movilidad internacional de Venezuela desde 1936 hasta 2021 es un desafío y una tarea compleja. Durante ese tiempo, ocurrieron importantes eventos políticos, económicos y sociales, una época en la que los extranjeros ayudaron a construir un país tal como lo conocíamos años atrás. El objetivo fundamental de este artículo es mostrar que el ascenso y la caída de Venezuela podrían ser examinados y explicados por los ingresos petroleros y las instituciones nacionales. Esas variables explican los cambios en el patrón migratorio de un país que recibió una importante cantidad de inmigrantes, a un país que años después expulsa a su población sitiada por una situación de crisis política, económica, y humanitaria. El uso de la migración, los ingresos petroleros y las instituciones nacionales permiten la construcción de tres contextos significativos y seis momentos migratorios. Los contextos se crean como un recurso metodológico que ayuda a visualizar la larga historia de un país rico que pierde su fortuna, su trayectoria y su gente. La naturaleza de este trabajo es documental.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Emilio Osorio Alvarez, Mauricio Phélan, Carlos Viso https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12824 Migrações venezuelanas, crise da reprodução social capitalista e necropolíticas de fronteira 2021-11-02T16:08:04-03:00 Ana Carolina Gonçalves Leite carolina.gleite@ufpe.br Mariana de Araújo Castro jcsilva98@hotmail.com <p>Nesse artigo, discutimos alguns aspectos das atuais migrações venezuelanas, chamadas também de diáspora venezuelana, relacionando-as à crise da reprodução social capitalistas e às necropolíticas engendradas por essa última. Para tanto, relacionamos tais migrações com o estouro da bolha que caracterizou o fim do boom das commodities e a crise mundial de 2008, que resultaram em uma brutal deterioração das condições de vida da população e ampliação da gestão armada da vida social na Venezuela; avançamos uma discussão crítica sobre os limites da distinção entre migrações forçadas e voluntárias; e observamos dimensões conflituosas do acolhimento recebido pelos venezuelanos no Brasil, levando em conta a gestão de populações e as políticas de fronteira. Para além do debate bibliográfico, da análise de documentos e matérias jornalísticas, sustentam ainda nossas reflexões, trabalhos de campo realizados pelas autoras a Roraima em 2019 e em 2020.</p> 2022-02-03T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Ana Carolina Gonçalves Leite https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13673 Multilateralismo, crise e migração venezuelana: o Grupo de Lima e o Processo de Quito em perspectiva comparada. 2021-11-04T17:01:16-03:00 María del Carmen Villarreal Villamar maria.villarreal@unirio.br <p>Este trabalho analisa em perspectiva comparada os discursos e as respostas oferecidas por parte do Grupo de Lima (GL) e o Processo de Quito (PQ) respeito à crise e a migração venezuelana no período 2017-2020. Ambos os espaços multilaterais emitiram declarações conjuntas e estabeleceram compromissos, ao passo que promoveram a articulação com organizações internacionais em matéria de migração e refúgio. Contudo, entre os dois processos existem diferenças importantes quanto às suas posições políticas em relação ao atual Governo da República Bolivariana da Venezuela, seus objetivos, formas de funcionamento e o grau de centralidade que atribuem à questão migratória. Para tal, o texto discute teoricamente o fenômeno do multilateralismo, seus vínculos com as migrações e fenômenos como o multilateralismo contestado. Metodologicamente utilizou-se a análise documental e de conteúdo qualitativa de declarações, comunicados e artigos de imprensa e a análise de dados secundários da Plataforma R4V e da ENCOVI. Os resultados apontam que embora América Latina conte um uma longa tradição de cooperação multilateral, tanto o GL quanto o PQ constituem mecanismos <em>ad hoc</em> que transcendem os espaços tradicionais de abordagem das crises e das migrações a nível regional.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 María del Carmen Villarreal Villamar https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12572 O processo de Cartagena de 1984 e os fluxos migratórios venezuelanos. 2021-05-07T10:24:33-03:00 César Augusto Silva da Silva cesar.a.silva@ufms.br <p>Com o objetivo de verificar a pertinência do chamado Processo de Cartagena de 1984 aos fluxos migratórios advindos da Venezuela e de identificar as diretrizes da proteção internacional dos refugiados no referido país, foi realizado uma investigação a partir de pesquisa bibliográfica e análise documental. Considerando que a Declaração de Cartagena de 1984 traz o significado mais abrangente para a definição de refugiado, faz-se de extrema relevância analisar a incidência de sua aplicação no caso venezuelano. Neste trabalho, buscou-se perquirir a aplicação da Declaração de Cartagena à situação da Venezuela, analisando a sua política migratória e a incidência normativa deste processo. Concluiu-se que a crise humanitária venezuelana gera um deslocamento internacional misto, a qual, uma vez identificada pelos países de acolhida, deve ensejar uma imediata e ampla proteção para além das soluções individuais, baseadas em soluções duradouras previstas desde o Plano de Ação do México de 2004.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CESAR AUGUSTO SILVA DA SILVA https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12552 Operação Acolhida: Entre a Militarização e a Assistência Social 2021-11-04T20:22:45-03:00 Ariane Rego de Paiva arianepaiva@puc-rio.br Gabriela de Paiva Gonçalves agpaiva@gmail.com <p>O artigo se refere a resposta do governo brasileiro à imigração venezuelana através da Operação Acolhida. Foram utilizadas análises bibliográficas, instrumentos jurídicos-normativos internacionais e nacionais, além de entrevistas realizadas em 2018 com os representantes do poder público das três esferas de governo e de entidades da sociedade civil envolvidos nas ações em Boa Vista e Pacaraima no estado de Roraima. Os principais resultados apontam para o protagonismo das Forças Armadas na ação humanitária, com rebatimentos significativos na relação Estado e sociedade civil para a construção de uma política de proteção aos refugiados, com baixo controle social dos gastos públicos e dos processos decisórios, e subordinação da política pública de assistência social.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Ariane Rego de Paiva, Gabriela de Paiva Gonçalves https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13124 Migrações venezuelanas: 2021-11-04T20:42:40-03:00 Jóice de Oliveira Santos Domeniconi joicedomeniconi@outlook.com Rosana Baeninger baeninger@nepo.unicamp.br Natália Belmonte Demétrio natalia_belmontedemetrio@yahoo.com.br <p>As migrações internacionais no século XXI exigem um olhar que contemple a diversidade de processos, heterogeneidade e modalidades migratórias (WENDEN, 2001) em curso. Entre elas, as migrações internacionais qualificadas (PEIXOTO, 1998). O objetivo desse artigo é analisar as migrações internacionais de trabalhadores venezuelanos altamente qualificados para o Brasil em anos recentes. Leva-se em consideração as relações entre a mobilidade do capital e do trabalho (SASSEN, 2007), particularmente ligadas à reestruturação produtiva e à expansão de empresas transnacionais (HAGIU, 2010). Considera-se também as relações geopolíticas e de governança das migrações contemporâneas (ROBERTSON, 2014) em um cenário de crescentes instabilidades políticas e econômicas em âmbito regional que coloca distintos contingentes de imigrantes em movimento (BAENINGER, 2018). Com base na categoria dos imigrantes trabalhadores do conhecimento (DOMENICONI, 2017) e de registros administrativos da Secretaria de Trabalho brasileira, apreende-se um cenário de mudanças na composição, temporalidade e espacialidade das migrações qualificadas venezuelanas e na inserção sociolaboral formal desses imigrantes no país, permeada por mecanismos de seletividade e por diferenciais sociodemográficos e ocupacionais no período de 2011 a 2019.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Jóice de Oliveira Santos Domeniconi, Rosana Baeninger, Natália Belmonte Demétrio https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/12604 As dificuldades de mobilidade dos povos originários venezuelanos de etnia Warao no Brasil decorrentes do veto na lei de migrações à sua livre circulação 2021-11-04T21:00:17-03:00 Tatiana de A. F. R. Cardoso Squeff tatiafrcardoso@gmail.com Julia Pelegrino Pecker julia_peker@hotmail.com <p>A Lei de Migrações de 2017 é um marco regulatório importantíssimo para a assecuração dos direitos humanos dos migrantes no Brasil. No entanto, um princípio que era de suma importância para a realização de seus objetivos era a previsão da livre circulação indígena transfronteiriça, a qual, porém, restou de fora do texto final em função de um veto presidencial quando da sua sanção, sob o argumento de ser uma ameaça à segurança nacional. Assim, partindo de uma abordagem hipotético-dedutiva e seguindo os métodos de análise analítico-descritivo e explicativo, argumenta-se neste estudo que esse veto não só é ilegal à luz do direito constitucional e internacional, como também é responsável pelas dificuldades encontradas pelos migrantes indígenas venezuelanos de etnia Warao no Brasil. Ao cabo, realizada uma pesquisa monográfica através dos procedimentos bibliográfico e documental, conclui-se que, sim, os Warao são impedidos de manifestar as suas tradições e identidade cultural no país de forma plena forte no aludido veto, clamando-se, consequentemente, pela criação de políticas migratórias voltadas a essa população específica.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Tatiana de A. F. R. Cardoso Squeff, Julia Pelegrino Pecker https://seer.furg.br/rbhcs/article/view/13675 Direito humano de migrar: uma aproximação à normativa migratória do Brasil 2021-11-04T21:31:04-03:00 João Carlos Jarochinski Silva jcsilva98@hotmail.com Militza Pérez Velásquez jcsilva98@hotmail.com <p>Este artigo visa analisar as atuais normas que regem as categorias de imigração de refugiados e residentes temporários no Brasil, com o objetivo de avaliar sua abrangência, aplicabilidade e eficácia no tratamento da mobilidade venezuelana. Para obter tal resultado, os autores fundamentaram sua análise dos textos legais, nos documentos oficiais e na reflexão a partir do campo, em que foram realizadas entrevistas com pessoas venezuelanas enquadradas em diferentes categorias migratórias no Brasil, no sentido de se verificar os contrastes em termos de regulação migratória, a incompreensão das distinções relativas às categorias jurídicas no cotidiano desses indivíduos e as dificuldades no processo de regularização ou mudança de enquadramento migratório. Para tanto, parte-se de conceitos e teorias que se desenvolvem ao longo do texto para abordar a temática da mobilidade humana e a forma como o Estado atua frente a esse fenômeno, numa perspectiva que contemple diversos campos analíticos, os quais devem estar em consonância com seu caráter multifacetado e interdisciplinar. O artigo aponta que as ações brasileiras são reveladoras de um anseio de controlar e impedir o ingresso dessas pessoas, mesmo quando se reconhece a vulnerabilidade delas.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 João Carlos Jarochinski Silva