A educação ambiental “desde el sur” e os seus diálogos com o pensamento contra-colonial brasileiro

Autores

  • Marcelo Aranda Stortti UNIRIO, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Duque de Caxias (FEUDUC),RJ

Palavras-chave:

educação ambiental, Conflito ambiental, Decolonialidade, Contra-colonialidade.

Resumo

Nesse artigo apresentamos como desenho teórico a articulação do campo da Educação Ambiental (macrotendência crítica) em diálogo com o giro decolonial e o pensamento de Airton Krenak e do Quilombola Nego Bispo a partir da compreensão do padrão pedagógico do conflito socioambiental. Essa encruzilhada de saberes e fazeres estão contribuindo para promover uma desobediência política e epistêmica. Esse pensamento Suleador também é produzido pelos movimentos sociais fazendo emergir saberes “outros” e “enraizados” nos territórios. E percebemos que os argumentos apresentados em diálogo com esse campo teórico permite inferir que esses grupos sociais vivem um processo educativo e provavelmente uma educação ambiental que poderia ser chamada de Desde El Sur.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Aranda Stortti, UNIRIO, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Duque de Caxias (FEUDUC),RJ

Departamento de Educação e de Biologia. Desenvolvo projetos e pesquisas desde 1992 em educação ambiental em parceria com movimentos sociais, ONGs e na formação inicial de professores e educadores.

Referências

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. La poscolonialidad explicada a los niños. Colômbia: Editorial Universidad del Cauca Instituto Pensar, Universidad Javeriana.2005.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: refl exiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global /. – Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

COHN, Sergio (org.). Encontros: Ailton Krenak. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.

DUSSELL, Enrique. 1492: O encobrimento do outro: a origem do mito da

modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

________________. Europa, modernidade e eurocentrismo. A colonialidade do

saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Edgardo Lander (org). Coleccin Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autnoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro. 2005. Disponivel em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/. acessado em:03 de março de 2015.

ESCOBAR, A. Actores, redes e novos produtores de conhecimento: os movimentos

sociais e a transição paradigmática. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org) (2003). Conhecimento prudente para uma vida decente: “Um discurso sobre as ciências” revisitado. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

KRENAK, Ailton. O lugar onde a terra descansa. Gráfica Imprinta/ECO RIO: Rio de Janeiro, 2000.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER,Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.21-53. Disponible en la World Wide Web: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Lander.rtf

MIGNOLO, Walter. Un paradigma otro colonialidad global, pensamento fronterizo y

cosmopolitismo critico. In: MIGNOLO, Walter. Historias locales/diseños globales: Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. AKAL ediciones. 2002a.

________________. Historias locais/projetos globais: Colonialidade, saberes

subalternos y pensamento limiar. Belo Horizonte:UFMG. 2002b.

________________. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de

identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

________________. COLONIALIDADE O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 32 n° 94 junho. 2017. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf. Acessado em 05 de fevereiro de 2018.

PORTO GONÇALVES, Carlos Walter. Geografia da violência no campo brasileiro: o que dizem os dados de 2003. Revista Crítica de Ciências Sociais, 75, Outubro, p. 139-169. 2006. _______________________________.Entre América e Abya Yala – tensões de territorialidades. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 20, p. 25-30, jul./dez. 2009.

____________________. A ecologia política na América latina: reapropriação social da natureza e reinvenção dos territórios. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, v.9, n.1, p.16-50, Jan./Jul. 2012. Disponível em:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/viewFile/1807-1384.2012v9n1p16/23002. acessado em: 03 de fevereiro de 2010.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In:

QUIJANO, Anibal (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais.

Perspectivas latino-americanas Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sursur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acessado em 10 de fev 2015.

______________. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTROGÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL Ramón (Org.). El giro decolonial: refl exiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

______________. Notas sobre a questão da identidade e nação no Peru. Estudos

Avançados 6 (16). 1992. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/ea/v6n16/v6n16a07.pdf. Acessado em 08 de fev 2015.

______________. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, n° 37, pp. 4-28. 2002. Disponível em:

http://www2.marilia.unesp.br/ojs5/index.php/novosrumos/article/view/2192/1812. Acesso em 08 de fev 2015.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, Quilombos, Modos e Significações. Brasília: INCTI/UnB, 2015.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

Stortti, M. A. (2021). A educação ambiental “desde el sur” e os seus diálogos com o pensamento contra-colonial brasileiro. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 273–295. Recuperado de https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13260

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"