Educação e ambiente

saberes que informam ações do Movimento dos Ribeirinhos de Abaetetuba - Moriva/Pa

Autores

  • Maria Graça Silva Universidade do Estado do Pará
  • Marinês de Maria Ribeiro Doutoranda Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Movimentos Sociais. Saberes Ambientais

Resumo

Trata-se da problematização e análise sobre a relação entre educação e ambiente, base de um movimento de resistência social e político em contextos territoriais ribeirinhos na Amazônia Paraense. Visa analisar saberes socioambientais que orientam e/ou emergem das ações desse movimento denominado Moriva, e situar essas ações na dinâmica do cotidiano de comunidades ribeirinhas, na região do Baixo Tocantins, na Amazônia Paraense, complexo territorial de implantação da Usina Hidrelétrica Tucuruí (UHE Tucuruí), projeto tecnicista e subaltenizador dos modos de vida locais. Resulta de uma pesquisa de abordagem qualitativa com o uso de entrevistas semi-estruturadas e análise dos saberes socioambientais do movimento, referenciadas em autores cujos enfoques epistemológicos estão alinhados  com o histórico-crítico, dialógico e transformador.  Os resultados indicam que por meio de um diálogo entre o conhecimento científico e os saberes práticos do cotidiano foi possível elevar o potencial político-pedagógico que informa a relação entre Educação Ambiental e Movimentos Sociais na construção ativa do conhecimento sobre a realidade ambiental, gestão para a conservação dos recursos naturais que estão na base das práticas de trabalho produção da existência e ações de resistências dos povos águas, que também se constituem no universo das comunidades tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Graça Silva, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Planejamento Urbano e Regional (UFRJ, 2002), Sociologa, professora do Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Educação (PPGED), Departamento de Filosofia e Ciências Sociais (DFCS).

Marinês de Maria Ribeiro, Doutoranda Universidade Federal do Pará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia/Universidade Federal do Pará (UFPA), Mestra em Educação pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), Pedagoga e Professora da Rede Publica de Ensino Estadual e Municipal, respectivamente.

Referências

ANDERSON, A. B.; IORIS, E. M. A lógica do extrativismo: manejo de recursos e geração de renda por produtores extrativistas no estuário amazônico. In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. de C. C. (Org.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NUPAUB – USP, 2001. p. 163-179.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BODGAN, R.; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma Introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOURDIEU, Pierre. Outline of a Theory of Practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

BRANDÃO, Carlos R. Educação popular. Brasiliense, 1984.

CALDART, Roseli Salete. A pedagogia da luta pela terra: o movimento social como princípio educativo. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 23ª reunião anual 24 a 28 de setembro de 2000, Caxambu, MG. Disponível em http://www.anped.org.br/1408t.htm, acesso em 16, mar. 2002.

CARTILHA CPT. Memória e Revitalização Identitária de Abaetetuba. 2005.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental e Movimentos Sociais: elementos para uma história política do campo ambiental. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 9, n. 16-17, p. 46-56, 2001.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. Trad. de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. Vol. 1. São Paulo – SP, Ed. 34, 1995a.

DIÉGUES, A. Carlos. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: HUCITEC, 1996.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

________. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Ferreira, C. L. R., Pereira, K. A., & Logarezzi, A. M. (2020). Educação ambiental dialógico-crítica e educação do campo: buscando caminhos contra hegemônicos. Ambiente & Educação, 25(2), 417–447.

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i2.1151

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso, um embate? Campinas: Papirus.

LEFEBVRE. Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1974.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Educação ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B.;

MACHADO, Jorge. História de Abaetetuba. Com referenciais na história social e econômica da Amazônia. Edições Alquimia, Belém, 2008.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 1994.

RODRIGUES, Marinês de Maria Ribeiro. Práticas educativas e saberes ambientais em ações do movimento dos ribeirinhos das ilhas de Abaetetuba e sua relação com a sustentabilidade dos recursos naturais da Ilha Quianduba. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará, Belém, 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: Um Discurso sobre as Ciências Revisitado. Porto: Afrontamento, 2003.

SILVA, Maria das Graças da. Práticas Educativas Ambientais, Saberes e Modos de Vida Locais. Revista Cocar, V 01 nº 1 jan/jun 2007.

________. Pedagogia da resistência e o discurso socioambiental: outro protagonismo da educação campo. Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 30, n. 61, p. 123-137, jan./mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

Silva, M. G., & Ribeiro Rodrigues, M. de M. . (2021). Educação e ambiente: saberes que informam ações do Movimento dos Ribeirinhos de Abaetetuba - Moriva/Pa. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 138–166. Recuperado de https://seer.furg.br/ambeduc/article/view/13119

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"