Educação ambiental em instituição pública de ensino superior

o caso da UFSM

Autores

  • Doneide Kaufmann Grassi Universidade Federal de Santa Maria
  • Sheila Kocourek Universidade Federal de Santa Maria
  • Jairo da Luz Oliveira Universidade Federal de Santa Maria https://orcid.org/0000-0002-5006-4614

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.11246

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Ambientalização Curricular. Gestão Ambiental.

Resumo

Os órgãos do serviço público e, mais especificamente as Instituições de Ensino Superior (IES), podem transformar-se em espaços para o exercício da educação ambiental. Este estudo objetivou analisar a implementação de saberes e práticas da educação ambiental, na percepção dos gestores da UFSM, com vistas a produzir subsídios que contribuam para o fortalecimento da educação ambiental. De maneira geral, os resultados demonstraram que as entrevistadas reconheceram que a temática educação ambiental é de suma importância, caracterizando-se como um instrumento fundamental nas IFES e que, de alguma forma, estão tentando englobar esse tópico na Instituição. Constatou-se, ainda, que diversas ações ocorrem na Instituição, porém são ações isoladas e que não há uma coesão/intenção/prioridade sobre o assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Doneide Kaufmann Grassi, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria (1999) e especialização em MBA em Gestão de Recursos Humanos pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER (2013). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Públicas - Mestrado Profissional - da Universidade Federal de Santa Maria/RS. Concursada com o cargo Recepcionista é servidora da UFSM desde 1994; atuou durante 15 anos na Secretaria dos Conselhos Superiores da UFSM. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação de séries iniciais do Ensino Fundamental ; experiência em escotismo possuindo o Curso Avançado de Insígnia da Madeira e atuando no Grupo Escoteiro Henrique Dias, no Ramo Lobinho; experiência em tramitação de projetos de pesquisa e extensão por ter atuado no Gabinete de Projetos do Centro de Ciências da Saúde/UFSM.

Sheila Kocourek, Universidade Federal de Santa Maria

Possui Graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1997), Mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2000) e Doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2006). Atualmente é Professora Associada III do Departamento de Serviço Social, da Universidade Federal de Santa Maria/RS. Coordenou o Programa de Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde/UFSM. Foi chefe do departamento de Serviço Social da UFSM entre 2016 e 2019. Atua como Editora chefe da Revista Sociais e Humanas/UFSM.

Jairo da Luz Oliveira, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994); Mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002); doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2008).; Professor adjunto IV no curso de Serviço Social na Universidade Federal de Santa Maria UFSM; Coordenador do Núcleo de Estudos Pesquisa e Extensão em Gerontologia, Serviço Social e Saúde - NEPEGSSS tendo como estudos os seguintes temas: formação profissional em Serviço Social, população em situação de rua, Gerontologia Social Crítica, Saúde e Gestão Pública; Tutor de Núcleo em Serviço Social e saúde mental na Residência Multiprofissional em Saúde Mental na UFSM; Pesquisador Bolsa PET Saúde/ PET GraduaSUS; Professor convidado na Especialização em Direitos Humanos e Serviço Social junto ao Curso de Serviço Social da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA; Professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Públicas - UFSM.

Referências

BARBIERI, J. C. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. 8. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BATISTA, M. do S. da S. Educação ambiental no ensino superior: reflexões e caminhos possíveis. Curitiba: Appris, 2017.

BOWERS, C. A. Greening the university curriculum. 2002.

BRANDLI, L. L. et al. A sustentabilidade ambiental na infraestrutura de um campus universitário: ações. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2008, Fortaleza/CE. Anais...Fortaleza/CE, 2008.

BRASIL. Lei n. 3.834-C, de 14 de dezembro de 1960. Cria a Universidade Federal de Goiás e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília,

DF, 20 dez. 1960. Seção 1, p. 16117.

BRASIL. Decreto n. 73.030, de 30 de outubro de 1973. Cria, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente - SEMA, e da outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 30 out. 1973. Seção 1, p. 11024.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 set. 1981. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília. DF.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Tratado de educação ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Brasília, 1992a.

BRASIL. Lei n. 8.490, de 19 de novembro de 1992. Dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 30 nov.

b. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF, 1997b. 126p.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Seção 1, p.1

BRASIL. Decreto n. 4.281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2002. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Decreto n. 5.940, de 25 de outubro de 2006. Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 out. 2006. Seção 1, p. 4.

BRASIL. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jun. 2012. Seção 1, p. 70.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2014, Edição Extra. Seção 1, p. 1.

CARSON, R. Primavera silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

CARVALHO, I. C. de M; AMARO, I.; FRANKENBERG, C. L. C. Ambientalização curricular e pesquisas ambientalmente orientadas na PUCRS: um levantamento preliminar. In: LEME, P. C. L.; PAVESI, A.; ALBA, D.; GONZÁLEZ, M. J. D. (Coord.). Visões e experiências ibero-americanas de sustentabilidade nas universidades: desdobramentos do 3º seminário internacional de sustentabilidade na universidade. São Carlos. SP. Madrid: UAM-Gráficas Alhambrav. 2011, p. 137-144.

DIAS, G. F. Os quinze anos da educação ambiental no Brasil: um depoimento. Em aberto-Órgão de Divulgação Técnica do Ministério da Educação-INEP. Brasília, Ano 10, n. 49, jan./mar. 1991.

DIAS, G. F. Educação ambiental: políticas e práticas. São Paulo: Gaia, 2004.

DIAS, L. S.; LEAL, A. C.; JUNIOR, S. C. (Org.). Educação ambiental: conceitos, metodologias e práticas. 1. ed. São Paulo: Tupã, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GUERRA, A. F. S. et al. A ambientalização na educação superior: trajetória e perspectivas. In: GUERRA, A. F.

S. (Org.). Ambientalização e sustentabilidade nas universidades: subsídios, reflexões e aprendizagens. 1. ed. Itajaí: UNIVALI, 2015, p. 11-33.

IBRAHIN, F. I. D. Educação ambiental: estudo dos problemas, ações e instrumentos para o desenvolvimento da sociedade. 1. ed. São Paulo: Erica, 2014.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, mar. 2003. Disponível em: KITZMANN, D.; ASMUS, M. Ambientalização sistêmica: do currículo ao socioambiente. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 269-290, jan./abr. 2012.

LAYRARGUES, P.P. A crise ambiental e suas implicações na educação. In: QUINTAS, J. S. Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente, 3. ed. Brasília: IBAMA, 2006, p. 161-198.

LAYRARGUES, P.P. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, C.

F. B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S. de. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2011, p. 185-225.

LAYRARGUES, P.P. Para onde vai a educação ambiental? O cenário político ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 398-421, 2012.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. da C. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: VI ENCONTRO “PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL”: a pesquisa em educação ambiental e a pós-graduação no Brasil, 2011, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo.

LEFF, E. Diálogos entre saberes: epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 5. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

LEME, P. C. S. Formação e atuação de educadores ambientais: análise de um processo educativo na Universidade. 2008. 303 f. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade de São Carlos, São Carlos, SP, 2008.

MEADOWS, D. H. et al. The limits to growth. London: A Potomac Associates Book. (1972 apud VAN BELLEN, H. M). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2002. 250 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2002.

MELO, A. A de. Os limites do crescimento: uma análise da relação entre a pegada ecológica e indicadores socioeconômicos. 2013. 64 p. Monografia (Curso de Ciências Econômicas)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2013.

NALINI, R. Justiça: Aliada Eficaz da Natureza. In: TRIGUEIRO, A. (Coord.) Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003, p. 288.

NASCIMENTO, L. F. Gestão ambiental e sustentabilidade. 2012. 148 p. Monografia (Bacharelado em Administração Pública)–Departamento de Ciências da Administração. Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC. [Brasília]: CAPES: UAB, Florianópolis, SC, 2012.

NUNES, M. Educação Ambiental no Brasil: entre a hegemonia do conservadorismo e a

possibilidade da educação ambiental crítica da crítica. Revista Ambiente Legal, São Paulo, dez. 2015. Disponível em: <http://www.ambientelegal.com.br/educacao-ambiental-no-brasil/>. Acesso em: 28 set. 2018.

PALMA, S. R. Gerenciamento de resíduos sólidos em instituições federais de ensino superior do Rio Grande do Sul. 2013, 101 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Organizações Públicas)– Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

QUADROS, M. UFSM, RGE Sul e CPFL Energia inauguram usina fotovoltaica. In: Portal de Notícias da UFSM , 06 nov. 2018.

RAMOS, E.C. Educação ambiental: origem e perspectivas. Educar, Curitiba, v. 17, n. 18, p. 201-218, jan./jul. 2001.

REIGOTA, M. A. dos S. As questões ambientais no cotidiano escolar. [Entrevista disponibilizada em 14 de maio de 2009.

REIGOTA, M. A. dos S. O que é educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2009.

RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. 2. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Penso, 2012.

RUSCHEINSKY, A. Périplo pela incorporação da dimensão socioambiental: incertezas, desafios e tensões em trajetórias universitárias. In: RUSCHEINSKY, A.;

GUERRA, A. F. A.; FIGUEIREDO, M. L.; LEME, P. C. S.; RANIERI,

V. E. L.; DELITTI, W. B. C. Ambientalização nas instituições de educação superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades. São Carlos, 2014, p. 100-124.

SANTOS, J. de A.; TOSCHI, M. S. Vertentes da educação ambiental: da conservacionista à crítica. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, Anápolis, v. 4, n. 2, ed. especial, p. 241-250, jul./dez. 2015,

SAUVÉ, L. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317–322, mai./ago. 2005.

SCHEFFER, T. Percepção ambiental dos professores da rede municipal de ensino na cidade de São Domingos–SC: um olhar sobre a educação ambiental local. 2009. Monografia (Curso de Ciências Biológicas)– Universidade do Oeste de Santa Catarina, Xanxerê, SC, 2009.

SHARP, L. Green campuses: the road from little victories to systemic transformation. Boston (USA): Harvard University, 2002.

SILVA FILHO, J. C. L. da et al. Análise comparativa do novo paradigma ecológico em dois estados brasileiros: a gestão ambiental além do mercado e do estado. estao.Org – Revista Eletrônica de Gestão Organizacional,v. 7, n. 1, p. 84-101, jan./abr. 2009.

SILVA JÚNIOR, I.S. A educação ambiental como meio para a concretização do desenvolvimento sustentável. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, v. 13, n. 50, p. 103-113, abr./jun. 2008.

SORRENTINO, M. De Tbilisi a Tessaloniki: a educação ambiental no Brasil. In: CASCINO, F.; OLIVEIRA, J. F.; JACOBI, P. (Orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998.

SORRENTINO, M.; BIASOLI, S. Ambientalização das instituições de educação superior: a educação ambiental contribuindo para a construção de sociedades sustentáveis. In: RUSCHEINSKY, A.; GUERRA, A. F. A.; FIGUEIREDO, M. L.; LEME, P. C. S.; RANIERI, V. E. L.; DELITTI, W. B. C. Ambientalização nas

instituições de educação superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades. São Carlos, 2014, p 39-46.

SORRENTINO, M. et al. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, mai./ago. 2005, p. 285-299.

STEINMETZ, W. Educação ambiental, constituição e legislação: análise jurídica e avaliação crítica após dez anos de vigência da Lei 9.795/1999. Revista de Direito Ambiental, São Paulo: Revista dos Tribunais, a. 14, n. 55, p. 103-113, jul./set. 2009.

TEIXEIRA, L. I. L.; SILVA FILHO, J. C. L. da; MEIRELES, F. R. da S. Consciência e atitude ambiental em estudantes de instituições de ensino técnico e tecnológico. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental/UFSM, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 334-350, jan./abr. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Plano de desenvolvimento institucional (2011-2015). Santa Maria, 2011a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Plano de desenvolvimento institucional (2016-2026). Santa Maria, 2016a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. UMA: UFSM Sustentável. 2018c.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Relatório executivo de avaliação do PDI 2016-2026. Pró-Reitoria de Planejamento. Santa Maria, 2018f.

VASCONCELOS, J. P. R.et al. Pare, Pense e Descarte: coleta seletiva solidária. In: CATALÃO, V.; LAYRARGUES, P. P.; ZANETI, I. (Orgs.). Universidade para o Século XXI: Educação e Gestão Ambiental na Universidade de Brasília. Brasília, Cidade Gráfica e Editora, 2011, p. 38.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa: do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

Grassi, D. K., Kocourek, S., & Oliveira, J. da L. (2021). Educação ambiental em instituição pública de ensino superior: o caso da UFSM. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 430–456. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.11246