A recepção do neorrealismo italiano por Moniz Vianna no contexto do subcampo da crítica de cinema brasileira (1948-1959)

Autores

  • Thiago Turibio Instituto Federal / Colégio Pedro II. Rio de Janeiro, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i27.12975

Palavras-chave:

Moniz Vianna. Crítica de Cinema. Neorrealismo.

Resumo

O principal objetivo do artigo é analisar parte das controvérsias estéticas e políticas implícitas na recepção do neorrealismo pelo crítico de cinema carioca Moniz Vianna. Argumentamos que as suas tomadas de posição em favor de Hollywood e contrária ao neorrealismo podem ser compreendidas, ao menos em parte, como uma forma de contraposição à crítica de esquerda recém-chegada ao subcampo da crítica. Para tanto, nos valemos sobretudo da análise de artigos publicados no Correio da Manhã entre finais dos anos 1940 e 1950, sendo parte deles compilada por Ruy Castro. Do ponto de vista teórico, mobilizamos alguns pressupostos dos estudos de recepção tais como apresentados por Janet Staiger, bem como os conceitos de campo e de habitus tomados à sociologia da cultura bourdieusiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMATTI, Margarida Maria. A crítica cinematográfica e o star system nas revistas de fãs: A Cena Muda e Cinelândia (1952-1955). 327f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós Graduação em Ciência da Comunicação. São Paulo, 2008.

AUTRAN, Arthur. Alex Viany: crítico e historiador. – São Paulo: Perspectivas. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003.

BAECQUE, Antoine de. Cinefilia. Invenção de um olhar, história de uma cultura: 1944-1968. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

BARBOSA, Neusa. Rodolfo Nanni: um realizador persistente. Coleção aplauso cinema Brasil. São Paulo: Cultura, fundação padre Anchieta; Imprensa oficial, 2004.

BAZIN, André. O realismo cinematográfico e a escola italiana da Liberação. In: O cinema. Ensaios. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BERNARDET, Jean-Claude; GALVÃO, Maria Rita. Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica (as ideias de ‘nacional’ e ‘popular’ no pensamento cinematográfico brasileiro). São Paulo: Brasiliense, 1983.

BERNARDET, Jean-Claude. O Autor no Cinema. São Paulo: Brasiliense/Edusp, 1994.

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. in: Teoria contemporânea do cinema. Documentário e narrativa ficcional. Organizador Fernão Pessoa Ramos. Vol. ii. São Paulo: Senac São Paulo, 2005.

BOURDIEU, Pierre. A distinção, crítica social do julgamento. Tradução Daniela Kern; Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2008a.

______. As Regras da Arte. Gênese e Estrutura do Campo Literário. São Paulo: Companhia das Letras, 2008b.

______. Economia das trocas simbólicas – São Paulo: Perspectiva, 2009a.

______. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz (português de Portugal). 12ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009b.

CATANI, Afrânio Mendes. Anhembi: uma revista de Cultura. Estudos Socine de cinema, II – III. São Paulo: Annablume, 2000.

______. A revista fundamentos e a crítica de cinema. Estudos Socine de cinema, ano III. Porto Alegre: Sulina, 2003.

______. O romance do gato preto: Carlos Ortiz e a história do cinema brasileiro. Estudos de cinema e audiovisual, SOCINE. Ano VIII, São Paulo, 2012.

______. Vinicius de Moraes, crítico de cinema. São Paulo: Perspectivas, 1984.

FABRIS, Mariarosaria. Nelson Pereira dos Santos: um olhar neo-realista? São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

______. Vendo e revendo o neorrealismo: uma reflexão sobre as ideias de Jean-Claude-Bernardet. Estudos Socine de cinema. ano IV – São Paulo: editora Panorama, 2003.

GOMES, P. E. S. Contribuição de Moniz Vianna. in: Crítica de cinema no suplemento literário. volume II – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

______. Veteranos num catálogo. in: Crítica de cinema no suplemento literário. volume II – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

LUCAS, Meize Regina de Lucena. Ver, ler e escrever; a imprensa e a construção da imagem no cinema brasileiro da década de 1950. Revista brasileira de história. São Paulo, v. 28, nº55, p. 19-40- 2008.

MAINGUENEAU. Dominique. Novas tendências em Análise do discurso. Campinas: Martins Fontes, 1997.

MANTON, Karl. Habitus. in: Pierre Bourdieu: conceitos fundamentais. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

MENDONÇA, Leandro José Luiz Riodades de. A crítica de cinema em Moniz Vianna. Rio de Janeiro: Edições LCV, 2009.

MICELI, Sergio. Intelectuais à Brasileira: Intelectuais e classes dirigentes no Brasil (1920-45). São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Vanguardas em retrocesso: ensaios de história social e intelectual do modernismo latino-americano. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MORAES, Dênis de. O imaginário vigiado: a imprensa comunista e o realismo socialista no Brasil (1947-53). Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

ROSENFELD, Anatol. Na Cinelândia paulistana. Organização, introdução e notas Nanci. São Paulo: editora perspectiva, 2002.

SALEM, Helena. Nelson Pereira dos Santos: o sonho possível do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

SALLES, Francisco Luiz de Almeida. Cinema e verdade: Marilyn, Buñuel, etc. por um escritor de verdade. / Organização Flora Cristina Bender e Ilka Bruhilde Laurito. São Paulo: Cinemateca Brasileira; Rio de Janeiro: Fundação do Cinema Brasileiro, 1988.

SAPIRO, Gisèle. Sociologia da literatura. Belo Horizonte, MG: Moinhos; Contrafios, 2019.

SILVA, Fernando Teixeira da. SANTANA, Marco Aurélio. O equilibrista e a política: o “Partido da Classe Operária” (PCB) na democratização (1945-1964). In: Nacionalismo e reformismo radical (1945-1964). Organizadores: Jorge Ferreira, Daniel Aarão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

SOUZA, José Inácio de Melo. A carga da brigada ligeira: intelectuais e crítica cinematográfica, 1941-1945. São Paulo: mnemocine, 2017.

______. Paulo Emílio no Paraíso. Rio de Janeiro: Record, 2002.

STAIGER, Janet. Interpreting films: studies in the historical reception of american cinema. Princeton, New Jersey:1992.

VIANNA, Antonio Moniz. Um filme por dia: crítica de choque (1946-73). Organização Ruy Castro; pesquisa editorial Eduardo Moniz Vianna. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VIANY, Alex. A função do crítico de cinema. Fundamentos: Revista de cultura moderna. ano iv, nº25, São Paulo, fevereiro de 1952, p.27-29.

Correio da Manhã

VIANNA, Moniz. Alessandro Blasetti. Correio da Manhã. 19 de maio de 1949, p. 17.

VIANNA, Moniz. A montanha dos sete abutres. Billy Wilder. Correio da Manhã, 20 de junho de 1952. p.9.

VIANNA, Moniz. Juventude Transviada. Correio da Manhã, 5 de outubro de 1956, p. 13.

VIANNA, Moniz. Ladrões de bicicletas. Correio da Manhã, 20 de outubro de 1950, p. 11.

VIANNA, Moniz. Na estrada da vida. Correio da Manhã, 10 de fevereiro de 1957, p. 15.

VIANNA, Moniz. Paisà, Correio da Manhã, 16 de abril de 1950, p. 15.

VIANNA, Moniz. Roma, cidade aberta. Correio da Manhã, 10 de janeiro de 1948, p.11.

VIANNA, Moniz. Stromboli. Correio da Manhã. 31 de agosto de 1950, p. 9

VIANNA, Moniz. Sua majestade, o sr. Carloni (Prima Communione). Correio da Manhã, 22 de maio de 1954, p. 11.

VIANNA, Moniz. USA: Cinema de autocrítica. Correio da Manhã, 7 de março de 1959.

VIANNA, Moniz. Vertigo. Correio da Manhã, 17 de março de 1959.

VIANNA, Moniz. Vítimas da tormenta. Correio da Manhã, 30 de julho de 1949, p. 13.

VIANY, Alex. Rossellini, cronista de guerra. Correio da Manhã, Suplemento de literatura e artes. 26 de fevereiro de 1950, p.2-10.

Downloads

Publicado

2022-06-23

Como Citar

Turibio, T. (2022). A recepção do neorrealismo italiano por Moniz Vianna no contexto do subcampo da crítica de cinema brasileira (1948-1959). Revista Brasileira De História &Amp; Ciências Sociais, 13(27), 71–98. https://doi.org/10.14295/rbhcs.v13i27.12975

Edição

Seção

Artigos Livres