(Trans)gredindo a invisibilidade social rumo à representação política: cultura política, rechaça à democracia e sub representação de transexuais e travestis no Brasil contemporâneo<br>Transgresser l'invisibilité sociale vers la représentation politique: culture politique, rejeter la démocratie et sous représentation des transsexuels et transvestis dans le Brésil contemporain

Main Article Content

Joscimar Silva
Hárllen Eric Castro
Reidson Fontes

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as candidaturas de travestis e mulheres transexuais nas eleições de 2014 a 2020 no Brasil a partir de uma visão interdisciplinar entre a ciência política, sociologia e a psicanálise. O método utilizado para o estudo foi uma revisão bibliográfica com foco na sub representação política com a análise dos valores de cultura política e da rechaça à diferença que reflete nos resultados de representação descritiva nessas candidaturas e nos resultados eleitorais. Com base nos dados disponibilizados pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), constatou-se 429 candidatas nas eleições de 2014 a 2020, pequena parte dessas que só foram eleitas na esfera municipal para o cargo de vereadora e nunca em eleições nacionais, nem para cargos executivos. Explica-se esse fenômeno a partir da LGBTfobia estrutural, violência presente na cultura política tradicional que legitima à rechaça à diferença e dificulta a representação política de diversos grupos subalternos como negros, mulheres, indígenas e outras minorias sociais e políticas, ou seja, uma rechaça à democracia.
 
Résumé
 
Cet article vise à analyser les candidatures de travestis et de femmes transsexuelles aux élections 2014-2020 au Brésil dans une perspective interdisciplinaire entre science politique, sociologie et psychanalyse. La méthode utilisée pour l'étude était une revue de la littérature centrée sur la sousreprésentation politique avec l'analyse des valeurs de la culture politique et le rejet de la différence qui se reflète dans les résultats de la représentation descriptive dans ces candidatures et dans les résultats électoraux. Sur la base des données fournies par l'Association nationale des travestis et transsexuels (ANTRA), 429 candidats ont été trouvés aux élections de 2014-2020, dont une petite partie n'ont été élus qu'au niveau municipal pour le poste de conseiller et jamais aux élections nationales, ni pour les postes de direction. Ce phénomène s'explique par la LGBTphobie structurelle, violence présente dans la culture politique traditionnelle qui légitime le rejet de la différence et entrave la représentation politique de divers groupes subalternes tels que les noirs, les femmes, les peuples autochtones et autres minorités sociales et politiques, c'est-à-dire un rejet de la démocratie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Silva, J., Castro, H. E., & Fontes, R. (2021). (Trans)gredindo a invisibilidade social rumo à representação política: cultura política, rechaça à democracia e sub representação de transexuais e travestis no Brasil contemporâneo&lt;br&gt;Transgresser l’invisibilité sociale vers la représentation politique: culture politique, rejeter la démocratie et sous représentation des transsexuels et transvestis dans le Brésil contemporain. Deslocamentos/Déplacements: Revista Franco-Brasileira Interdisciplinar De psicanálise E Ciências Sociais, 2, 219–238. Recuperado de https://seer.furg.br/des/article/view/13656
Seção
Artigos/Article
Biografia do Autor

Joscimar Silva, Universidade Federal do Piauí, UFPI, Piauí, Brasil.

Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Graduado em Ciências Sociais pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG) e Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É professor substituto da graduação em Ciência Política e professor colaborador do Mestrado em Ciência Política na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e coordenador adjunto do Grupo LATICOM - Comunicación Política y Comportamiento Electoral, da Associação Latinoamericana de Ciência Política (ALACIP). Pesquisador no Grupo Opinião Pública e no Centro de Pesquisa em Política e Internet, ambos na UFMG. Foi bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior pelo Programa de Excelência Acadêmica (PROEX-CAPES). Foi pesquisador visitante no Instituto Tecnológico Autónomo de México. Recebeu Menção Honrosa no Prêmio Antonio Lavareda promovido pela Associación Latinoamericana de Investigadores en Campañas Electorales (ALICE). Atuou como Coordenador geral e Consultor no mercado de pesquisas de Opinião Pública. Tem experiência na área de Ciência Política, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação política, internet e política, comportamento político e opinião pública.

Hárllen Eric Castro, Centro Universitário dos Guararapes, UNIFG, Pernambuco, Brasil.

Bacharelando em Psicologia pela UniFG. Integrante do GEPS - Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental. Linha de Pesquisa: Saúde mental e pandemias. Membro da LAP - Liga Acadêmica em Psicopatologia do Centro Universitário FG (UniFG). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Neuropsicologia - GENEPsi (UniFG). Também é membro do Grupos de Estudos Marxistas – GEM da UniFG, do Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicologia da saúde e hospitalar (GEPPSAH) da UniFG, e do Grupo de Pesquisa IP - Informação Pública, vinculado a Universidade Federal do Piauí – UFPI. Linha de pesquisa: Comunicação política e opinião pública. Além da graduação, atualmente está se especializando em psicologia organizacional e do trabalho, e ainda, realizando estágio não obrigatório em reabilitação neuropsicológica.

Reidson Fontes, Universidade Federal do Piauí, UFPI, Piauí, Brasil.

Graduando em Administração, pela Universidade Federal do Piauí - UFPI. Integrante do grupo de pesquisa IP - Informação Pública, na linha de pesquisa de comunicação política e opinião pública, pela UFPI.

Referências

Adorno, T. (2005). Educação após Auschwitz. Educação Online. Disponível em: http://rizomas.net/arquivos/Adorno-Educacao-apos-Auschwitz.pdf. Acesso em outubro de 2021.

Almond, G., & Verba, S. (1963). The civic culture. Princeton: Princeton University Press.

ANTRA. (2021) Mapeamento das candidaturas de Travestis, Mulheres Transexuais, Homens Trans e demais pessoas Trans: 2014; 2016; 2018; 2020. Disponível em: https://antrabrasil.org/. Acesso em: 13 de jul. de 2021.

Assuar, G., & Polistchuck, L. (2019). Psicanálise e estudos de gênero: uma com-versa. In: CECCARELLI, P. R. et al. Psicanálise, sexualidade e gênero: um debate em construção. 1. ed. São Paulo: Zagodoni.

Bobbio, N. (1985). O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. (tradução de Marco Aurélio Nogueira). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bourdieu, P. (1989) “A representação política: elementos para uma teoria do campo político”. In: Bourdieu, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.

Carballo, M., & Moreno, A. (2013). El cambio de valores en América Latina. Ciudad de México: CESOP.

Cepêda, V. A. (2018). A nova direita no Brasil: contexto e matrizes conceituais. Mediações, Londrina, v. 23, p. 40-74. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n2p40. Acesso em fevereiro de 2021.

Cheresky, I. (2015). El nuevo rostro de la democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Freud , S. (1976). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Um caso de histeria, três ensaios sobre a teoria da sexualidade e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (2020). O mal-estar na cultura e outros escritos. Coleção Obras Incompletas de Sigmund Freud, Tradução de Maria Rita Salzano Moraes, Belo Horizonte: Autêntica.

Fraser, N. (2006) Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo (São Paulo - 1991), [S. l.], v. 15, n. 14-15, p. 231-239. DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v15i14-15p231-239. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/50109. Acesso em: 23 out. 2021.

Grupo Gay da Bahia. Mortes violentas de LGBT+ no Brasil – 2019: Relatório do Grupo Gay da Bahia. 1. ed. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2020.

Galvão, L. (2019) A nova direita brasileira chega ao Palácio do Planalto: uma análise do fenômeno e seus paralelos com a Alternative Right. Dissertação (mestrado) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Asociación Internacional de Lesbianas, Gays, Bisexuales, Trans e Intersex (ILGA). Homofobia de Estado. 13 ed. Ginebra: ILGA. 2019.

Inglehart, R., & Welzel, C. (2009). Modernização, mudança cultural e democracia: a sequência do desenvolvimento humano. São Paulo: Francis.

Kitschelt, H. (2000). Linkages between citizens and politicians in democratic polities. Comparative Political Studies, v. 33, n. 6/7, p. 845-879.

Lima, D. M. O. (2012). Diálogos entre a Sociologia e a Psicanálise: o indivíduo e o sujeito. Salvador: Edufba.

Montaigne, M. D. (1980). Ensaios. São Paulo: Abril Cultural.

McGraw, K. Political impresiones: formation and management. IN: Sears, D., Huddy, L., & Jervis, R. (2003). (Eds.). Oxford Handbook of Political Psicology. New York: Oxford University Press, p. 394-432.

Miguel, L.F. (2014) Democracia e representação: territórios em disputa. São Paulo: Editora da Unesp.

Pereira da Silva, F. (2008). A tradição do pensamento político na nova hegemonia das direitas: algumas questões preliminares. Em Debate, Belo Horizonte, v. 10, n.1, p.46-53.

Pitkin, H. F. (2006) Representação: palavras, instituições e ideias. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, ed. 67, p. 15-47.

Przeworski, A. (1989). Capitalismo e social democracia. São Paulo: Companhia das Letras.

Putnan, R. (1996). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV.

Quinet, A. (2020). Entre o inconsciente e a cultura: o sujeito. In: Tepermen, D., Garrafa, T., & Laconelli, V. (2020). Gênero. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Rico, G. (2008). La construcción política del carisma: las imágenes de los líderes y su impacto electoral en España. Tese de doutorado en Ciencia Política Universidad Autónoma de Barcelona. Barcelona.

Santos, G. G. C. (2016). Diversidade sexual e política eleitoral: analisando as candidaturas de travestis e transexuais no Brasil contemporâneo. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, n. 33, p. 58 - 96.

Saward, M. (2006). The Representative Claim. Contemporary Political Theory, n. 5, p. 297-318.

Solano, E. (2018). Crise da democracia e extremismos de direita. Friedrich Ebert Stiftung Brasil. Disponível em: https://library.fes.de/pdffiles/bueros/brasilien/14508.pdf. Acesso em maio/2020.

Trevisan, J. S. (2004). Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 6a. ed. Rio de Janeiro: Record.

Transgender Europe (2006). TMM annual report 2016. TvT Publication Series, v. 14, p. 1 - 28.

Telles, H. (abril de 2018). Democracia de democratas insatisfeitos e a emergência dos Alternative-rights. Em Debate, Belo Horizonte, v.10, n.1, p.25-30.

Velasco e Cruz, S., Kaysel, A., & Codas, G. (2015). (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Urbinati, N. (2006). O que torna a representação democrática? Lua Nova, n. 67. São Paulo, p. 191-228.

Verztman, J., & Ferreira, F. P. (2020). Psicanálise, norma e normatividade. In: BIRMAN, J. et al. Psicanálise e Política. 1. ed. São Paulo: Zagodoni.

Winnicott, D. W. (1994). Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Winnicott, D. W. (1999). Tudo começa em casa. São Paulo: Martins Fontes.

Winnicott, D. W. (2000). Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago.