Fetichismo, do estrangeiro ao íntimo<br>Fétichisme, de l'étranger à l'intime

Main Article Content

Ariana Moura Gomes

Resumo

A história do conceito de fetichismo é paralela à história das ciências humanas. Tendo origem em relatos de navegadores mercantes acerca dos costumes religiosos de povos estrangeiros, o termo se prestará, desde o princípio, a designar o que estaria no campo do estranho e primitivo, estabelecendo-se, com ele, uma fronteira em relação ao civilizado e esclarecido. Outros campos do saber se apropriarão posteriormente do termo, sempre herdando, em diferentes medidas, esta concepção de que o pensamento fetichista seria a quintessência do pensamento não esclarecido. Nos proporemos, no presente artigo, a examinar os elementos fundamentais que constituem o fetichismo, em especial em sua apropriação pela psicanálise, sublinhando a transformação que se operará em seu sentido – quando se conceberá que o pensamento fetichista, longe de ser uma falta de capacidade de abstração, será parte constituinte e ineliminável do desejo.


 


Résumé


L'histoire du concept de fétichisme est parallèle à l'histoire des sciences humaines. Le terme, qui puise son origine dans des rapports de navigateurs marchands sur les coutumes religieuses des peuples étrangers, servira dès le début à désigner ce qui s’inscrirait dans le domaine de l'étrange et du primitif, établissant ainsi une frontière par rapport au civilisé et à l’éclairé. D'autres champs de connaissance reprendront plus tard le terme, lequel héritera alors, à des degrés divers, de cette conception selon laquelle la pensée fétichiste serait le paradigme de la pensée non éclairée. Nous proposons par le présent article d'examiner les éléments fondamentaux qui composent le fétichisme, notamment à partir de son appropriation par la psychanalyse, en soulignant la transformation qu'elle a entrainée dans la compréhension d'un tel concept - quand la pensée fétichiste a été conçue, elle était loin de constituer un manque surmontable de capacité d'abstraction, c'est une partie constitutive et essentielle du désir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Moura Gomes, A. (2021). Fetichismo, do estrangeiro ao íntimo&lt;br&gt;Fétichisme, de l’étranger à l’intime. Deslocamentos/Déplacements: Revista Franco-Brasileira Interdisciplinar De psicanálise E Ciências Sociais, 2, 148–182. Recuperado de https://seer.furg.br/des/article/view/13310
Seção
Artigos/Article
Biografia do Autor

Ariana Moura Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil. / Université de Paris.

Doutora em cotutela pela École Doctorale Recherches en Psychopathologie et Psychanalyse da Université de Paris e pelo Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Experiência em docência, atendimento clínico particular e em instituição pública de saúde mental. Desenvolve sua pesquisa em torno dos seguintes temas: Psicanálise e filosofia, desejo, ética.

Referências

Baas, B. (2001). O desejo puro. Rio de Janeiro: Revinter.

Binet, A. (2014). Le fétichisme dans l'amour (E-book). FV Éditions.

Böhme, H. (2014). Fetishim and culture: a different theory of modernity. Berlin/Boston: Walter de Gruyter GmbH.

Freud, S. ((1905) 1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Em S. Freud, Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. ((1909) 2014). Sobre la génesis del fetichismo. Affectio Societatis, 11(21), 154 - 167.

Freud, S. ((1927) 2015). Fetichismo. Em S. Freud, Obras completas, volume 17. São Paulo: Companhia das letras.

Freud, S. ((1938) 1996). A divisão do Ego no processo de defesa. Em S. Freud, Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (2017). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Em S. Freud, Obras completas, volume 6. São Paulo: Companhia das letras.

Freud, S. (2019). O infamiliar (Das unheimliche) - Edição comemorativa bilíngüe. São Paulo: Autêntica.

Iacono, A. M. (1992). Le fétichisme, histoire d'un concept. Paris: Presses universitaires de France.

Jorge, M. C. (2010). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, vol. 2: a clínica da fantasia. Rio de Janeiro: Zahar.

Krafft-Ebing, R. (1894). Psychopathia sexualis, with especial reference to Contrary Sexual Instinct: a medico-legal study. Philadelphia: The F. A. David Company, Publishers.

Lacan, J. ((1956 - 1957) 1995). O seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. ((1959 - 1960) 2008). O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. . Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. ((1960 - 1961) 1992). O seminário, livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. ((1962 - 1963) 2005). O seminário, livro 10: a angústia. . Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Mannoni, O. (1973). Chaves para o imaginário. Petrópolis: Vozes.

Marx, K. (2017). O capital: Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo Editorial.

Pietz, W. (1987). The problem of the fetish, II: The origin of the fetish. RES: Anthropology and Aesthetics, pp. 23 - 45.

Pitz, W. (1985). The problem of the fetish, I. Res: Anthropology and Aesthetics, Nº 9, pp. 5-17.

Safatle. (2010). Fetichismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Sehnem, C. (2009). Kant: reprodução e esquema. Argumentos, Ano 1, nº 2, 122 - 129.

Zizek, S. (. (1996). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto.