O trem da vida e o metrô para a morte: arte e sonho interpelam sujeitos políticos em tempos pandêmicos<br>Le train de la vie et le métro pour la mort: l’art et le rêve interpellent les sujets politiques à l’époque de la pandémie

Main Article Content

Jaquelina Maria Imbrizi
Marcela Gomes
Gabriel Binkowski

Resumo

As narrativas oníricas e produções cinematográficas podem ser consideradas obras de arte que formulam questões que interpelam o apreciador da cultura e podem transportá-lo da posição de mero espectador para a de testemunha de seu tempo. Tendo essa afirmação como pressuposto, o objetivo do artigo é estabelecer aproximações entre a narrativa onírica intitulada “Um metrô para a morte” e o filme franco-romeno Trem da Vida, lançado em 1998. Para o desenvolvimento de nossa argumentação, apresentaremos a ação “Rodas de Conversa sobre Sonhos” vinculada a projeto de extensão universitária que inventou um espaço clínico político para que imaginários circulassem entre os participantes de um grupo. O ponto nodal da nossa argumentação é o fato corriqueiro do sujeito estabelecer associações entre uma narrativa onírica e uma produção cinematográfica. Nesse encadeamento de ideias foi possível traçar uma crítica à sociedade contemporânea que em seu modo de organização ainda repete ações que aprisionam subjetividades ao perpetuar o racismo, a desigualdade social e perpetrar a política da morte.


 


Résumé


Les récits oniriques et les œuvres cinématographiques peuvent être considérées comme des œuvres d’art suscitant des questions qui interpellent l’amateur de culture et qui ont le potentiel de le faire passer de la position de simple spectateur à celle de témoin de son époque. En prenant cette affirmation en tant que point de départ, l’objectif de l’article est d’établir des rapprochements entre le récit onirique intitulé « Un métro pour la mort » et le film franco-roumain Train de vie, sorti en 1998. Afin de développer notre argumentation, nous nous pencherons sur l’action « Cercle de Discussion sur les Rêves » réalisée dans le cadre d’un projet d’extension universitaire qui a conduit à l’invention d’un espace clinique et politique où les imaginaires pourraient circuler entre les participants du groupe. Le point central de notre argumentation repose sur le fait habituel par lequel le sujet établit des associations entre un récit onirique et une œuvre cinématographique. Cet enchainement d’idées a rendu possible une critique de la société contemporaine qui de par son mode d’organisation réplique encore des actions qui emprisonnent les subjectivités en perpétuant le racisme, les inégalités sociales et la politique de la mort.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Maria Imbrizi, J. ., Gomes, M., & Binkowski, G. . (2021). O trem da vida e o metrô para a morte: arte e sonho interpelam sujeitos políticos em tempos pandêmicos&lt;br&gt;Le train de la vie et le métro pour la mort: l’art et le rêve interpellent les sujets politiques à l’époque de la pandémie. Deslocamentos/Déplacements: Revista Franco-Brasileira Interdisciplinar De psicanálise E Ciências Sociais, 2, 26–73. Recuperado de https://seer.furg.br/des/article/view/12797
Seção
Artigos/Article
Biografia do Autor

Jaquelina Maria Imbrizi, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/Santos)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1984 -1988), mestrado e Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997) e (2001) e pós-doutorado pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Núcleo de Estudos e Pesquisa em Psicanálise e Política (2013 - 2015). Professora Associada III da Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista onde desenvolve atividades na graduação e nos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu Ensino em Ciências da Saúde (Modalidade Profissional) e Interdisciplinar em Ciências da Saúde (Mestrado e doutorado acadêmicos). É uma das coordenadoras do Laboratório Inter Campi de Psicanálise, Política, Arte e Sociedade da Unifesp - Baixada Santista e Guarulhos - cadastrado no diretório de Pesquisa do CNPq. É membra do Laboratório de Psicanálise, Sociedade e Política (USP) e do Coletivo Internacional Amarrações - Psicanálise e Politicas com Juventudes. Atualmente coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas Sonhos, Juventudes e Psicanálise, o Projeto de Extensão: Arte e Sonho: abordagem psicanalítica nos modos de cuidar das Juventudes e é vice coordenadora da Ação de Extensão "Clínicas Sociais, Psicanálise e Filosofia". Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicanálise e Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, sonhos, juventudes, cultura e sociedade; mal-estar e violência; narrativa de história de vida e grupo como dispositivo.

Marcela Gomes, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Santa Catarina, Brasil.

Psicóloga, psicanalista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Cursou mestrado e doutorado em psicologia social no Programa de Pós-Graduação dessa mesma universidade, onde atualmente é docente. É membro da área "Psicologia Social e Cultura" do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, na linha de pesquisa "Psicanálise, Política e Cultura". Coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Migrações, Psicologia e Cultura" (NEMPsiC). É líder do grupo de pesquisa (CNPQ) "Psicologia, cultura e saúde mental", onde atua nas seguintes linhas de pesquisa: "Psicanálise, políticas públicas e direitos humanos" e "Migrações, processos psicológicos e saúde mental". Membro da EDIQ (Équipe de recherche en partenariat sur la diversité culturelle l?immigration dans la région de Québec), vinculada à Universidade de Laval (Quebec/Canadá). Desenvolve projetos de pesquisa e extensão nos seguintes temas: migrações, violências e vulnerabilidades psicossociais; SUAS; pessoas em situação de rua.

Gabriel Binkowski, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil.

Psicanalista e Professor Colaborador no Departamento de Psicologia Clínica da USP; mestre em Clínica Transcultural e doutor em Psicologia pela Université Sorbonne Paris Nord; pesquisador pós-doutorando no PPG de Psicologia Clínica da USP; membro do Laboratório de Psicanálise, Sociedade e Política (PSOPOL) e da Unité Transversale de Recherche Psychogenèse et Psychopathologie (UTRPP). Faz parte do comitê editorial da Revue L’autre: Cliniques, Cultures et Sociétés. É supervisor clínico no Grupo Veredas: Psicanálise e Migração e um dos coordenadores do Relapso – Grupo Interuniversitário de Pesquisa em Religião, Laço Social e Psicanálise.

Referências

Ab´Sáber, T. (março de 2020a). Somos contemporâneos da nossa escravidão. São Paulo: N-1. Consultado em março de 2021, em https://issuu.com/n-1publications/docs/cordel_somos_contemporaneos

Ab´Sáber, T. (agosto de 2020b). Sonhos e o Despertar na História. Consultado em março de 2021, em https://www.unifesp.br/reitoria/dci/eventos-anteriores/item/4635-conferencia-sonho-e-o-despertar-na-historia-com-o-prof-tales-ab-Ab

Agência Brasil. Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. Ligue 180 registra o aumento de 36% em casos de violência contra mulher. Consultado em março de 2020, em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-05/ligue-180-registra-aumento-de-36-em-casos-de-violencia-contra-mulher

Almeida, S.L. (2018). Estado e Direito: a construção da raça. In: Silva, M.L; Farias, M; Ocariz, M.C; Neto, A.S. (Orgs), Violência e Sociedade: o racismo como estruturante da sociedade e da subjetividade do povo brasileiro.

Althusser, L. (1970). Ideologia e aparelhos ideológicos de Estados. Lisboa: Presença.

Beradt, C. (1970). Sonhos no Terceiro Reich: com o que sonhavam os alemães depois da ascensão de Hitler. São Paulo: Três Estrelas.

Brum, E. (2018). O gado humano que Bolsonaro leva ao matadouro. El país. Consultado em março de 2021, em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-08-19/o-gado-humano-que-bolsonaro-leva-ao-matadouro.html#?sma=newsletter_brasil_diaria20200820

Butler, J. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Chauí, M. de S. (2019). O que é democracia? In: Lopedote, M. L.; Mayorca, D. S.; Negreiros, D.; Gomes, M. A.; Tancredi, T. (Orgs.). Corpos que sofrem: Como lidar com os efeitos psicossociais da violência? São Paulo: Elefante.

Coelho, R. S. (2020). Sonho, trauma e despertar ou o inconsciente é ético, e não ôntico. Deslocamentos, 1, 2, 192-207. Consultado em março de 2021, em: https://periodicos.furg.br/des/about/submissions#authorGuidelines

Demenech, L.M; Dumith, S.C; Vieira, M.E.C.D; Silva, N.L. (2020). Desigualdade econômica e risco de infecção e morte por Covid-19 no Brasil. Revista Brasileira de Epídemiologia, 1-12. Consultado em março de 2021, em: https://www.scielosp.org/pdf/rbepid/2020.v23/e200095/pt

Favaretto, C. F. (2010). Arte contemporânea e educação. Revista ibero-americana de educação, 53, 225-235. Consultado em março de 2021, em: https://rieoei.org/historico/documentos/rie53a10.pdf

Favaretto, C. F. (2011). Deslocamentos entre a arte e a vida. ARS, 9, 18. Consultado em março de 2021, em:

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-53202011000200007&script=sci_abstract&tlng=pt#:~:text=Print%20version%20ISSN%201678%2D5320&text=FAVARETTO%2C%20Celso%20F..,a%20arte%20e%20a%20vida.&text=Esse%20projeto%20orienta%20a%20perspectiva,postura%20art%C3%ADstica%20de%20H%C3%A9lio%20Oiticica.

Franca, B. (2016). Menino 23. Infâncias Perdidas no Brasil. 2016. Consultado em março de 2021, em:

https://www.google.com/search?q=menino+23&oq=menino+23&aqs=chrome..69i57.5078j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

Freud, Sigmund (2017a). A interpretação dos sonhos (vols. I e II. Renato Zwick, trad.). Porto Alegre: L&PM. (Original publicado em 1900.)

Freud, Sigmund (2017b). O chiste e sua relação com o inconsciente (vol. 7) São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1905)

Freud, S. (2019). O Infamiliar. Tradução Ernani Chaves; Pedro Heliodoro Tavares [O Homem da Areia; Tradução Romero Freitas] - 1 edição. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2019 (Obras Incompletas de Sigmund Freud, 2019). (Trabalho original publicado em 1919).

Freud, S. (2010a). Além do princípio do prazer. In: Obras Completas, Vol. 14. História de uma neurose infantil -O Homem dos Lobos. São Paulo: Companhia das Letras. Edição Original em 1920.

Freud, S. (2010b). Introdução A Psicanálise das Neuroses de Guerra. In: Obras Completas, Vol. 14. História de uma neurose infantil - O Homem dos Lobos- Além do Princípio do Prazer. São Paulo: Companhia das Letras. Edição Original em 1920.

Freud, S. (2011a). O problema econômico do masoquismo. In: SOUZA, P. C. de (Org.). O Eu e o Id: autobiografia e outros textos, vol. 16. São Paulo: Companhia das Letras. Edição Original em 1924.

Freud, S. (2011b). A negação. In: SOUZA, P. C. de (org.). O Eu e o Id: autobiografia e outros textos, vol. 16. São Paulo: Companhia das Letras. Edição Original em 1925.

Freud, Sigmund (2014). O fetichismo. In: Inibição, Sintoma e Angústia, O futuro de uma ilusão e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, Edição Original em 1927.

Gomes, M.A. (2021). Pandemia, Direitos Humanos e violência de Estado: a aposta no dispositivo clínico-político como um ato de resistência e de afirmação da vida. In: Souza, M. (Org.). Desigualdade, diferença, política: análises interdisciplinares em tempos de pandemias. Curitiba: Appris.

Hollanda, S. B. (2015). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Horkheimer, Max & Adorno, Theodor. (1985). A Indústria Cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Iamarino, A. (2021). O pandemicídio embalou. Folha de São Paulo, Opinião. Consultado em março de 2021, em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/atila-iamarino/2021/02/o-pandemicidio-embalou.shtml

Imbrizi, J. M. (junho de 2020). Arte e sonho: abordagem psicanalítica nos modos de cuidar das juventudes. Projeto de Extensão Universitária Unifesp – Baixada Santista, Santos, SP, Brasil, aprovado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Unifesp (PROEX) em jun. 2020, cadastrado com Código PROEX: 17774. Consultado em março de 2021, em: https://www.unifesp.br/reitoria/proec/siex-frame.

Imbrizi, J. M. & Domingues, A. (2021). Narrativas oníricas e a partilha de experiências (extra)ordinárias. Interface, Comunicação, Saúde e Sociedade (no prelo).

Imbrizi, J. S; Desenzi, M; Lemos, I.M; Teixeira, L. C; Rosa, M.D. (2021). Máquina de moer sonhos: A pandemia e os sonhos das juventudes. In: Dunker, C; Perrone, C; Iannini, G; Rosa, Debieux, m; Gurski, R. Sonhos confinados. Autêntica Editora: Edição do Kindle.

Kehl, M.R. (2000). Desejo e liberdade: a estética do ressentimento. Rio de Janeiro: Imago.

Kehl, M.R. (2020). O Ressentimento. São Paulo: Boitempo.

Kilomba, G. (2020). O colonialismo é a política do medo. El país. Consultado em março de 2021, em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/19/cultura/1566230138_634355.html#:~:text=%22A%20pol%C3%ADtica%20do%20colonialismo%20%C3%A9,barreiras%20como%20passaportes%20e%20fronteiras%22.

Lacan, J. (1988). O Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1967). O Seminário, livro 14: A lógica do fantasma. Inédito.

Levi, Primo. (1988). É isso um homem? Rio de Janeiro: Rocco.

Mbembe, A. (2016). Necropolítica. In: Arte & Ensaios.

Mihăileanu, R. (1988). O Trem da vida. 1988. Consultado em março de 2021, em: https://www.google.com/search?q=filme+o+trem+da+vida&oq=filme+o+trem+da+vida&aqs=chrome.0.69i59j46j0j0i22i30l3.5608j0j9&sourceid=chrome&ie=UTF-8

Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS) (2020). Análise Socioeconômica da taxa de letalidade da Covid-19 no Brasil. Consultado em março de 2021, em: https://drive.google.com/file/d/1tSU7mV4OPnLRFMMY47JIXZgzkklvkydO/view

Pinto, T. & Rivera, T. Colidouescapo. (2012). Poesia, sonho, condensação e linguagem em Freud. Revista Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, 44, 201-219. Acessado em março de 2021, em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v44n1/v44n1a12.pdf

Pinto, T. & Rivera, T. Colidouescapo. (2016). A condensação, o trauma e a densidade perceptiva da linguagem - freud com jorge luís borges. Ágora, XIX, 2, p. 311-324. Acessado em março de 2021, em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982016000200311

Rivera, T. (2017). Prefácio. Freud, S. A interpretação dos Sonhos, vol. I. Porto Alegre: RS: L&PM.

Rosa, M. D.R. (2016). A Clínica Psicanálitica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta.

Rudge, A. M. (1999). As fantasias oníricas, para que servem? Estados Gerais da Psicanálise. Psyche, 3, 4, 63-72. Consultado em março de 2021, em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-405936

Silveira, P. (2010). A interpelação ideológica: a entrada em cena da outra cena. Revista A peste: revista de psicanálise e sociedade e filosofia, 2. Acessado em março de 2021, em: https://revistas.pucsp.br/index.php/apeste/article/view/12080

Stanley, J. Como funciona o fascismo? A política do “nós” e “eles”. L&PM, 2018.

Torres, P. H. C. (2020). Território e Vida Mental: Notas sobre o “mundo pós COVID-19” do lado de cá do planeta. Boletim ANPOCS, 40. Consultado em março de 2021, em: http://www.anpocs.com/index.php/ciencias-sociais/destaques/2354-boletim-n-40-cientistas-sociais-e-o-coronavirus