REPENSANDO A AUTOFICÇÃO A PARTIR DA OBRA E SE EU FOSSE PURA (2018), DE AMARA MOIRA

Rethinking autofiction through E se eu fosse pura (2018), by Amara Moira

Autores

  • Gabriel Silveira Martins Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Resumo

O presente trabalho propõe uma reflexão sobre as origens e os limites do conceito de autoficção, através da
análise da obra contemporânea com traços autoficcionais E se eu fosse pura (2018), de Amara Moira. Em
um primeiro momento, buscamos sintetizar o percurso histórico do gênero autoficcional, desde a
delimitação do gênero autobiográfico feita pelo teórico francês Philippe Lejeune na década de 1970, passando pela criação do termo por Serge Doubrovsky, e chegando até a reinterpretação do conceito feita na contemporaneidade por Anna Faedrich (2014, 2015). Assim sendo, partimos da contribuição dessa pesquisadora, buscando confrontar a teoria com a leitura da obra de Moira, o que nos leva a problematizar a ideia de autoficção como subgênero do romance. Por fim, recuperamos as proposições de Paula Sibilia (2008) e Leonor Arfuch (2010) para compreender a autoficção como um fenômeno amplo de criação de subjetividades, do qual a obra de Amara Moira pode ser entendida como exemplo prototípico por excelência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Silveira Martins, G. . (2021). REPENSANDO A AUTOFICÇÃO A PARTIR DA OBRA E SE EU FOSSE PURA (2018), DE AMARA MOIRA: Rethinking autofiction through E se eu fosse pura (2018), by Amara Moira. Cadernos Literários, 28(1), 34–42. Recuperado de https://seer.furg.br/cadliter/article/view/13843

Edição

Seção

Artigos