A inserção da Educação Ambiental em currículos universitários e suas contribuições para formação profissional no contexto contemporâneo

Autores

  • Bruna Carolina de Lima Siqueira dos Santos Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI http://orcid.org/0000-0002-7305-5083
  • Ediene do Amaral Ferreira Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI
  • Verônica Gesser Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v39i2.14013

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Neoliberalismo. Currículos universitários.

Resumo

O presente estudo apresenta recortes que provém de uma tese desenvolvida junto ao Programa de Pós-graduação em Educação da UNIVALI. Tendo como objeto central de estudo a inserção da EA nos currículos universitários, o estudo objetiva sobretudo: Apontar contribuições da inserção da EA nos currículos universitários para formação profissional no contexto contemporâneo. Em uma abordagem qualitativa, como metodologia para coleta de dados faz uso da Netnografia (KOZINETS, 2014), os dados são analisados por meio da Análise Textual Discursiva – ATD (MORAES; GALIAZZI, 2011). Como principais achados, destacamos a compreensão do investimento neoliberal na individualização dos sujeitos para torná-los despolitizados, buscando distanciá-los por exemplo, de debates públicos que inferem diretamente na sociedade, portanto, a inserção da EA na formação profissional apresenta-se como resistência a lógica, por contribuir para formação de sujeitos críticos e ativos na busca e reivindicação de espaços e respeito as multiplicidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Carolina de Lima Siqueira dos Santos, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Doutora em Educação. Professora no Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) – PPGE/UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Pesquisadora no grupo de pesquisa: Políticas e Práticas de Currículo e de Gestão.

Ediene do Amaral Ferreira, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Doutora em Educação. Professora no Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) – PPGE/UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Pesquisadora no grupo de pesquisa: Políticas e Práticas de Currículo e de Gestão.

Verônica Gesser, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Doutora em Educação. Coordenadora Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) – PPGE/UNIVALI– Líder do grupo de pesquisa: Políticas e Práticas de Currículo e de Gestão - Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI.

Referências

ALVES, T. Ambientalização curricular na formação inicial em educação física. 2017. 158 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2017.

APPLE. M. O que os pós-modernistas esquecem: capital cultural e conhecimento oficial. In: GENTILLI,P; SILVA, T.T. Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas. Petropolis – RJ: Vozes, 2012. p.181-204.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental - ProNEA. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Coordenação Geral de Educação Ambiental. 3. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

BRASIL. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Ministério da educação conselho nacional de educação – MEC, Brasília, 15 de jun. 2012.

BENAYAS, J. A. Proyecto RISU. Definición de indicadores para la evaluación de las politicas de sustentabilidad en Universidades Latinoamericanas. Resumen Ejecutivo. Madri, Universidad Autónoma de Madri, 2014.

CORTÊS, L. A dimensão ambiental na formação inicial de professores de química: estudo de caso no curso da UFBA. 2013. 313 f. Tese (doutorado) – Universidade de Educação, Instituto de Física, São Paulo, 2013.

DELEUZE, G. Pourparlers. Paris: Minuit, 1990.

ENGUITA, M. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. 14. Ed. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 95-110.

FIGUEREDO, M. L.org. Educação para ambientalização curricular: diálogos necessários. São José: ICEP, 2017.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos III: Estética: literatura e pintura, música e cinema. 2. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos V: ética, sexualidade e política. 3.ed. Rio de Janeiros: Forense Universitária, 2017.

GUATTARI, F; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

GUERRA, A. et al. Ambientalização na Educação Superior: trajetória e perspectiva. In: GUERRA, A. (org.). Ambientalização e sustentabilidade nas universidades: [recurso eletrônico] subsídios, reflexões e aprendizagens. 1. ed. Dados eletrônicos. Itajaí: UNIVALI, 2015.

JUNYENT, M; GELI, A; ARBAT, E. Características de la ambientalización curricular: Modelo ACES. In: JUNYENT, M; GELI, A; ARBAT, E. (Orgs.). Ambientalización Curricular de los Estudios Superiores Proceso de Caracterización de la Ambientalización Curricular de los Estudios Superiores. v. 2. Girona: Universitat de Girona Red ACES, 2003, p. 15-32.

KITZMANN, D; ASMUS, M. Ambientalizacão sistêmica – do currículo ao socioambiente. Currículo sem Fronteiras. v.12, n.1, p.269-290, jan/abr., 2012.

KOZINETS, R. Netnografia [recurso eletrônico]: realizando pesquisa etnográfica online. Tradução: Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2014.

LUZZI, D. Curso de Educação ambiental: da teoria à prática Coordenação de Pedro R. Jacobi. 2003. Procam - USP e FE - USP. Disponível em http://www.cidade.usp.br/educar/?2003/mod6 Acesso em: 11 de mai. 2022.

MORAES, R; GALIAZZI, M. Análise Textual Discursiva. 2.ed. Ijuí: Unijuí, 2011.

MOTA, J. Proposta Metodológica para a Ambientalização Curricular – PMAC: integrando a educação ambiental nos currículos da educação superior. 2020. 239 f. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande – RS, 2020.

OLIVEIRA, M. Cursos de Pedagogia em Universidades Federais brasileiras: políticas públicas e processos de ambientalização curricular. 2011. 168 f. Dissertação (mestrado em Biociências) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2011.

RAYMUNDO, M. H. et al. Avaliação e monitoramento de políticas públicas de educação ambiental no Brasil: transição para sociedades sustentáveis. Piracicaba: MH-Ambiente Natural, 2019.

RINK, J. Ambientalização Curricular na Educação Superior: tendências reveladas pela pesquisa acadêmica brasileira (1987-2009). 2014. 254 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

RODRIGUES, C. A ambientalização curricular da educação física nos contextos da pesquisa acadêmica e do ensino superior. 2013. 338 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

RODRIGUES, F; TRISTÃO, M. Escola sustentável e educação ambiental: os saberes de uma comunidade na formação da cultura da sustentabilidade. VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental”. Ribeirão Preto, setembro. Anais: A Pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-Graduação no Brasil. 2011. p.1-10.

SANTOS, B. Concepções de acadêmicos sobre a educação ambiental, ambientalização e sustentabilidade em uma instituição de educação superior. 2017. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina, 2017.

SANTOS, B. Inserção da educação ambiental nos currículos: Possibilidades para tensionamentos e questionamentos frente a lógica neoliberal. 2021. 138 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina, 2017.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiros: Record, 2000.

SENNET, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 10 ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SERPA, P. Uma contribuição para a compreensão do processo de ambientalização e sustentabilidade na educação superior. 2018. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Itajaí, 2017.

SILVA, A. Ambientalização curricular na educação superior: um estudo na pontifícia universidade católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). 2015. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - – Faculdade de Educação, PUCRS, Porto Alegre, 2015.

SILVA, T. T. A “nova”, direta e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. 14. Ed. Petrópolis: Vozes, 2012, pp.11-29.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

VEIGA-NETO, A. Ecopolítica: um novo horizonte para a Biopolítica. Revista Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande – RS, v. especial, p. 208-224, dez, 2014.

VIEIRA, M. Ambientalização universitária: o olhar dos estudantes da UFSCar para as questões ambientais. 2015. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

VIEIRAS, R. Educação Ambiental e Biopotência como processos interconstituintes: potencializando outros modos de existências. 2018. 270 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2018.

WAZAK, J. Ambientalização curricular na formação inicial de professores de ciências da natureza. 2017. 173 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-17

Como Citar

de Lima Siqueira dos Santos, B. C. ., do Amaral Ferreira, E. ., & Gesser, V. (2022). A inserção da Educação Ambiental em currículos universitários e suas contribuições para formação profissional no contexto contemporâneo. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 39(Especial), 218–238. https://doi.org/10.14295/remea.v39i2.14013

Edição

Seção

Dossiê Realidades da Educação Ambiental em Universidades Latino-Americanas