A POTÊNCIA DO CONCEITO DE SOFRIMENTO ÉTICO-POLÍTICO PARA PENSAR AS VIVÊNCIAS TRAVESTIS NA ESCOLA: TRILHAS INICIAIS

Autores

  • Guilherme José Parisi Dias Faculdade Venda Nova do Imigrante/Pós-graduando em Sexualidade Humana

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13558

Resumo

Partindo do pressuposto epistemológico de que subjetividade e objetividade constituem-se dialética e concomitantemente, este artigo teórico objetivou apropriar-se do conceito de sofrimento ético-político, criado pela teórica da psicologia social brasileira Bader Sawaia, para refletir sobre as vivências travestis no âmbito escolar. As travestis, consideradas seres dissidentes por excelência, são interpeladas no processo educativo por uma série de violências institucionais (embebidas, muitas vezes, por discursos de ódio), que se expressam na dimensão subjetiva como sofrimento e adoecimento. Assim, acreditamos ser potente qualificar de ético-político o sofrimento sentido pelas travestis nesta realidade, já que ele permite compreender tal fenômeno de modo amplo, indicando que o sofrimento é singular, mas também social, histórico e articulado às injustiças sociais. Concluindo, acreditamos que, embora muitas vezes necessitem se assujeitar às normas impostas e sofram com isso, várias travestis conseguem elaborar estratégias de resistência, seja através do fortalecimento coletivo, seja pela própria estética emancipada da travestilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-01-28

Como Citar

Dias, G. J. P. (2022). A POTÊNCIA DO CONCEITO DE SOFRIMENTO ÉTICO-POLÍTICO PARA PENSAR AS VIVÊNCIAS TRAVESTIS NA ESCOLA: TRILHAS INICIAIS. Diversidade E Educação, 9(2), 421–442. https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13558

Edição

Seção

Corpos em dissidência nos espaços educativos em tempos de discurso de ódio