DISCURSO DE ÓDIO E REPRESENTAÇÕES DE CORPOS DE MULHERES GORDAS NO YOUTUBE

UMA ANÁLISE DOS CANAIS “TÁ QUERIDA” E “ALEXANDRISMOS”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13557

Resumo

Este artigo teve como objetivo analisar os discursos de ódio em comentários nos vídeos dos canais de YouTube “Tá Querida” e “Alexandrismos”. Ambos são protagonizados por mulheres gordas que tratam sobre o movimento de autoaceitação corporal intitulado body positive. Buscamos também identificar quais as representações de mulher gorda que são produzidas a partir de tais comentários. Para tanto, foi considerado o campo teórico dos Estudos Culturais em Educação, com os conceitos de Pedagogias Culturais (SILVA, 2010; CAMOZZATO, 2012; ANDRADE, 2016) e de Representação (HALL, 2016), tendo como metodologias a Etnografia Virtual (HINE, 2004) e a Análise Cultural (MORAES, 2016). Foi possível identificar discurso de ódio explícito a partir de expressões machistas e gordofóbicas direcionadas às YouTubers, bem como violência de gênero e discursos antifeministas. Já a representação predominante foi da gorda animalesca e nojenta, fazendo parte dos discursos de ódio predominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamyla Stanieski Dias

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil (Bolsista CAPES), na área de Ciências, Currículo e Tecnologia; Licenciada em História pela mesma Universidade. Desenvolveu pesquisa sobre corpo, representação, pedagogias culturais, corpo, ciberativismo e Fat Studies. Tem experiência em pesquisa acadêmica em história e história do corpo; tem experiência também nas áreas de gênero, educação, Estudos Culturais, estudos sobre corpo e ciberativismo e, também, Fat Studies.

Daniela Ripoll, Universidade Luterana do Brasil

É graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005), com Doutorado Sanduíche pela University of Plymouth (2004). Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil (2009-2010) e, atualmente, é professora permanente e membro da Comissão Coordenadora do referido Programa. Integrou o Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade Luterana do Brasil (2007 a 2011). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Estudos Culturais em Educação, atuando principalmente com Educação; Estudos Culturais; Educação em Ciências e Biologia

Downloads

Publicado

2022-01-28

Como Citar

Dias, K. S., & Ripoll, D. (2022). DISCURSO DE ÓDIO E REPRESENTAÇÕES DE CORPOS DE MULHERES GORDAS NO YOUTUBE : UMA ANÁLISE DOS CANAIS “TÁ QUERIDA” E “ALEXANDRISMOS”. Diversidade E Educação, 9(2), 147–176. https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13557

Edição

Seção

Corpos em dissidência nos espaços educativos em tempos de discurso de ódio