“O QUE AS PESSOAS ACHAM DE NÃO-BINÁRIOS?”: DISPUTAS REPRESENTACIONAIS E COMENTÁRIOS DE ÓDIO NO YOUTUBE

Autores

  • Manoela de Calazans Gonçalves ULBRA
  • Bianca Salazar Guizzo ULBRA

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13539

Resumo

Pensando a Internet enquanto espaço educativo onde não apenas experiências, mas representações são compartilhadas, o ambiente virtual se mostra como potente campo de pesquisa para pensar o gênero não-binário. Além disso, a Internet facilita e incentiva os discursos exaltados, tornando-se campo propício para os comentários de ódio, principalmente contra minorias sociais.  Nesse sentido, este artigo analisa comentários deixados em vídeos de dois canais do YouTube de pessoas não-binárias, focando naqueles que disferem palavras de repulsa contra as youtubers. Para isso, este artigo insere-se no campo teórico dos Estudos Culturais em Educação, que enxerga os vídeos no YouTube como artefatos culturais que ensinam diferentes modos de ser e agir, bem como me fundamento em Jeffrey Jerome Cohen (2000) que aproxima a alteridade da monstruosidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoela de Calazans Gonçalves, ULBRA

Mestranda em Educação. Universidade Luterana do Brasil, ULBRA

Bianca Salazar Guizzo, ULBRA

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenadora do PPGEDU/ULBRA.

Downloads

Publicado

2022-01-28

Como Citar

de Calazans Gonçalves, M., & Salazar Guizzo, B. (2022). “O QUE AS PESSOAS ACHAM DE NÃO-BINÁRIOS?”: DISPUTAS REPRESENTACIONAIS E COMENTÁRIOS DE ÓDIO NO YOUTUBE. Diversidade E Educação, 9(2), 40–65. https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13539

Edição

Seção

Corpos em dissidência nos espaços educativos em tempos de discurso de ódio