SENTIDOS ATRIBUÍDOS À "CURA GAY" POR ESTUDANTES DA GRADUAÇÃO EM DIREITO: RESSONÂNCIAS DO ENSINO JURÍDICO

Autores

  • Túlio Vinícius Andrade Souza Universidade Federal de Pernambuco
  • Maria Cristina Lopes de Almeida Amazonas Universidade Católica de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13527

Resumo

A partir de digressões sobre o modelo do ensino jurídico vigente no Brasil e, ainda, considerando os debates midiáticos, legislativos e o acionamento da esfera jurídica para tutelar encadeamentos da chamada “cura gay”, nosso objetivo foi problematizar a formação universitária em Direito, no que diz respeito às questões relacionadas à diversidade sexual e de gênero, verificando o grau de conhecimento de estudantes em relação ao projeto de lei 4931/2016, popularmente conhecido como “cura gay”, e como se posicionam em relação a ele. Para isso, realizamos uma pesquisa de campo, através da aplicação de 200 questionários. Os resultados foram analisados através de uma perspectiva quanti-qualitativa, com foco na observação das categorias argumentativas emergentes. Entre os cinco eixos de concordância, doze categorias foram identificadas e analisadas. Consideramos, com isso, que é necessário, urgentemente, repensar a educação jurídica e seus compromissos com as questões sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Túlio Vinícius Andrade Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrando em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco (PPGPsi - UFPE).

Maria Cristina Lopes de Almeida Amazonas, Universidade Católica de Pernambuco

Doutora em Psicologia pela Universidade de Deusto / Espanha. Professora da Graduação em Psicologia e da Pós-graduação em Psicologia Clínica da Universidade Católica de Pernambuco.

Downloads

Publicado

2022-01-28

Como Citar

Andrade Souza, T. V. ., & Lopes de Almeida Amazonas, M. C. . (2022). SENTIDOS ATRIBUÍDOS À "CURA GAY" POR ESTUDANTES DA GRADUAÇÃO EM DIREITO: RESSONÂNCIAS DO ENSINO JURÍDICO. Diversidade E Educação, 9(2), 519–544. https://doi.org/10.14295/de.v9i2.13527