Definindo os “neogolpes”

Autores

  • Fabricio Pereira da Silva UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.14295/rcn.v3i3.13990

Palavras-chave:

Golpe de Estado , neogolpe , golpe institucional

Resumo

Este artigo aborda a ascensão do fenômeno dos “neogolpes” de Estado. Trata-se dos processos de ruptura institucional de novo tipo, que vêm ocorrendo notadamente na América Latina na última década. Segundo a literatura que vem procurando compreender o fenômeno, os casos mais notáveis seriam os de Honduras em 2009, do Paraguai em 2012 e do Brasil em 2016. Isso permite sugerir um direcionamento marcadamente conservador assumido pelos “neogolpes”. O artigo sugere o conceito de “golpe institucional” como o mais adequado para definir o fenômeno.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBÉ, Carlos. “Golpe de Estado”. In: BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco (orgs.), Dicionário de Política. Brasília: Editora da UnB, v. 1, 2010.

BIANCHI, Álvaro. “O que é um golpe de Estado?” In: Blog Junho, 26 mar. 2016. Disponível em http://blogjunho.com.br/o-que-e-um-golpe-de-estado/

CANNON, Barry. The Right in Latin America: Elite Power, Hegemony and the Struggle for the State. Nova Iorque: Routledge, 2016.

COELHO, André Luiz, MENDES, Mateus. “A sofisticação do neogolpismo: dos protestos de 2013 à destituição de Dilma Rousseff”. In: Sul Global, v. 1, 2020.

__________________ (org.). “Dossiê ‘Os significados das novas quedas presidenciais na América Latina: instabilidade dos governos ou dos regimes?”. In: Revista de Ciências Sociais (UFC), v. 49, n. 1, 2018.

DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp, 1999.

HUERTAS, Omar, CÁCERES, Victor. “Los golpes de Estado constitucionales en Latinoamérica: una amenaza emergente para el principio democrático”. In: Justicia Juris, v. 10 n. 2, 2014.

JINKINGS, Ivana, DORIA, Kim, CLETO, Murilo (orgs.). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEMOINE, Maurice. “La era de los golpes de estado suaves en América Latina”. In: Asociación Mémoire des Luttes, 2014.

LOURENÇO, Beatriz Soares. Entre recuos de maré e ondas de golpe: Uma análise sobre as interrupções dos governos de Manuel Zelaya em Honduras e de Fernando Lugo no Paraguai no limite do conceito de Golpe de Estado. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, PPGCP/UFF, 2018.

MIGUEL, Luis Felipe. “Brasil: ¿post-democracia o neo-dictadura?”. In: Revista de la Red Intercátedras de Historia de América Latina Contemporánea (RIHALC), n. 8, 2018.

MORENO VELADOR, Octavio H.; FIGUEROA IBARRA, Carlos A. “Golpe y neogolpismo en América Latina”. In: Revista Debates, v. 13, n. 1, jan.-abr. 2019.

PEREIRA DA SILVA, Fabricio. “O fim da onda rosa e o neogolpismo na América Latina”. In: Revista Sul-Americana de Ciência Política, v. 4, n. 2, 2018.

__________________________. “A ‘qualidade da democracia’ como um problema: que qualidades as nossas democracias deveriam possuir?” In: Teoria & Pesquisa, v. 26, 2017.

PÉREZ-LIÑÁN, Aníbal. Juicio político al presidente y nueva inestabilidad política en América Latina. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

____________________ “Instituciones, coaliciones callejeras e inestabilidad política: perspectivas teóricas sobre las crisis presidenciales”. In: América Latina Hoy, n. 49, 2008.

PERISSINOTO, Renato. “Por que golpe?” 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/29221192/Por_que_golpe .

REIS, Guilherme Simões. “O fim da era das democracias na América”. In: L(E)H, Breviário de Filosofia Pública, n. 146, 2017.

SARTORI, Giovanni. A teoria da democracia revisitada. São Paulo: Ática, 2 v., 1994.

SCHUMPETER, Joseph. Capitalism, Socialism and Democracy. Nova Iorque: Harper Colophon Books, 1976.

SOLER, Lorena. “Golpes de Estado en el siglo XXI. Un ejercicio comparado Haití (2004), Honduras (2009) y Paraguay (2012)”. In: Cadernos PROLAM/USP, v. 14, n. 26, 2015.

TILLY, Charles. Democracia. Petrópolis: Vozes, 2013.

TOKATLIAN, Juan Gabriel. “El auge del neogolpismo”. La Nación, 24 de junho de 2012. Disponível em: http://www.lanacion.com.ar/1484794-el-auge-del-neogolpismo

_______________________. “Neogolpismo”. Página/12, 13 de jul. 2009. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elmundo/subnotas/128159-41146-2009-07-13.html

VITULLO, Gabriel, PEREIRA DA SILVA, Fabricio. “A ciência política e o neogolpismo latino-americano: o que a disciplina (não) tem a dizer sobre as novas formas de ruptura institucional sofridas na região?” In: Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas – REPAM, v. 14, n. 2, 2020.

Downloads

Publicado

2022-02-18

Como Citar

PEREIRA DA SILVA, F. Definindo os “neogolpes”. Campos Neutrais - Revista Latino-Americana de Relações Internacionais, Rio Grande, RS, v. 3, n. 3, p. 55–66, 2022. DOI: 10.14295/rcn.v3i3.13990. Disponível em: https://seer.furg.br/cn/article/view/13990. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Livres