DISCUSSÕES TEÓRICAS SOBRE O PATRIMÔNIO E A MEMÓRIA EM TORNO DOS EX-LÍBRIS

Autores

  • Márcia Della Flora Cortes Universidade Federal de Pelotas
  • João Fernando Igansi Nunes Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v35i2.12589

Palavras-chave:

Ex-líbris, Memória, Patrimônio

Resumo

Os ex-líbris estão entre as marcas de proveniência bibliográfica deixadas em um livro que mais possibilitam fixar, manifestar, reconhecer e evocar a memória. Além de demarcar posse, os ex-líbris podem ingressar em coleções e ser ressignificados. Diante disso, o presente estudo tem o objetivo de discutir os ex-líbris a partir de concepções teóricas da memória e do patrimônio. Essa pesquisa parte de uma revisão bibliográfica em textos de teóricos como Halbwachs (1990), Candau (2016), Ricoeur (2007), Bertinazzo (2012), Prats (2000) e outros. Como procedimentos metodológicos, os dados foram coletados in loco na Biblioteca Rio-Grandense, onde os ex-líbris foram fotografados, por ser esse um instrumento de salvaguarda e que permite posterior análise. Dentre a coleta foi selecionada uma amostra de ex-líbris com diferentes temáticas, que reúne elementos que mostram claramente a influência dos quadros sociais da memória na construção das lembranças do titular, manifestados na criação da marca de posse bibliográfica. Os resultados apontam que os ex-líbris podem ser patrimônios por ressonância e constituem importantes instrumentos de representação da memória e da identidade de seus titulares visto que seus rastros estão relacionados aos quadros sociais da memória, assim como a metamemória na evocação de lembranças. Observou-se especialmente a presença do ambiente de trabalho, de lugares, de profissões e objetos que revelam o contexto em que viveu o proprietário de livros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Della Flora Cortes, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em Memória social e Patrimônio Cultural / Universidade Federal de Pelotas

Mestre em Patrimônio Cultural / Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Biblioteconomia / Universidade Federal de Rio Grande

João Fernando Igansi Nunes, Universidade Federal de Pelotas

Professor vinculado ao programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural / Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Comunicação e Semiótica / Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestre em Comunicação e Informação / Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Artes Visuais  / Universidade Federal de Pelotas

 

 

Referências

AQUINO, V. B. T. Um gabinete de leitura à beira mar: os primórdios da Bibliotheca Rio-Grandense (1846-1878). Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, Rio Grande, v. 35, n. 01, p. 100-119, jan./jun. 2021. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/12082/8873. Acesso em: 1 out. 2021.

ARARIPE, F. M. A. Do patrimônio cultural e seus significados. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 2, p. 111-122, maio/ago., 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tinf/a/9kRv9WpprV9j5jM5NMNPBSL/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 1 out. 2021.

ASSMANN, A. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Unicamp, 2011.

BENHAMOU, F. Economia do patrimônio cultural. São Paulo: Sesc, 2016.

BERTINAZZO, S. M. de F. Ex Libris: pequeno objeto de desejo. Brasília: Universidade de Brasília, 2012.

BRAHM, J. P. S. A Musealidade no Museu Gruppelli, Pelotas/RS: entre o visível e o invisível. 2017. 208 f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural) – Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/ppgmp/files/2016/11/Vers%C3%A3o-final-p%C3%B3s-banca-Jos%C3%A9-Paulo.pdf. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRAHM, J. P. S.; RIBEIRO, D. L.; SERRES, J. C. P. Memória e emoção: o caso do tacho do Museu Gruppelli, Pelotas/RS. In: MARCHI, D. de M.; KNACK, E. R. J.; POLONI, R. S. (org.). Memória & patrimônio: identidade, emoção e ditaduras. Ed. UFPel, 2020. p.194-214. Disponível em: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/bitstream/prefix/4955/1/Memória_%26_Patrimônio_-_Volume_2_.pdf. Acesso em: 22 jan. 2020.

BRUCHARD, D. de. Ex-libris. Belas histórias de arte, de vida e de amor aos livros. In: MARTINS FILHO, P. Ex libris: coleção Livraria Sereia de José Luís Giraldi. Cotia: Ateliê editorial, 2008. p. 11-16.

CANDAU, J. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2016.

CASTRO, A. P. de et al. A universidade de Coimbra: o tangível e o intangível. Coimbra: [s.n.], 2009. Disponível em: https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/universidade_de_coimbra_o_tang%C3%ADvel_e_o_intang%C3%ADvel. Acesso em: 2 jan. 2020.

CHAGAS, M. de S. Em busca do documento perdido: a problemática da construção teórica na área da documentação. Cadernos de museologia, n. 2, p. 29-47, 1994. Disponível em:

https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/534. Acesso em: 15 mar. 2019.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade: Unesp, 2006.

DOHMANN, M. A experiência material: a cultura do objeto. In: DOHMANN, M. (org.). A experiência material: a cultura do objeto. Rio de Janeiro: Rio Books, 2013. p. 31-48.

FARIA, M. I.; PERICÃO, M. da G. Dicionário do livro: da escrita ao livro eletrônico. São Paulo: Edusp, 2008.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DES SOCIÉTÉS D’AMATEURS D’EX-LIBRIS OR INTERNATIONAL FEDERATION OF SOCIETIES OF EX-LIBRIS COLLECTORS (FISAE). The Technical Symbols. 2004. Disponível em: http://www.fisae.org/home/symbols-for-techniques. Acesso em: 20 dez. 2020.

FERREIRA, M. L. M. Os fios da memória: fábrica Rheingantz entre passado, presente e patrimônio. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 19, n. 39, p. 69-98, jan./jun. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/bXYTHwdySWpGSPhDcj3MHrF/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 5 jan. 2020.

FRIENDS of the Hocken Collections. Some Bookplates in the Hocken Collections. 2005. Disponível em: https://www.otago.ac.nz/library/pdf/hoc_fr_bulletins/Bull_52_ExLibris.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

FUNARI, P. P. A.; PELEGRINI, S. de C. A. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2006.

GONÇALVES, J. R. S. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: IPHAN, 2007.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, c1990.

HERNÁNDEZ, J. B.; TRESSERAS, J. J. Gestión del Patrimônio Cultural. 3. ed. Barcelona: Editorial Ariel, 2007.

IZQUIERDO, I. Memórias. Estudos avançados, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 89-112, maio/ago, 1989.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba, 2012.

MACHADO, U. A etiqueta de livros no Brasil: subsídios para uma história das livrarias brasileiras. São Paulo: Edusp, 2003.

MACHADO, U. Sua excelência, o Ex-Líbris. In: SILVA, A. da C. e; MACIEL, A. (org.). Livro dos Ex-Líbris. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014. p. 9-75.

MARTINS FILHO, P. Ex-libris: coleção Livraria Sereia de José Luís Garaldi. Cotia: Ateliê editorial, 2008.

MATTOS, Armando de. A psicologia do “ex-libris”. Lisboa: Miscelânea, 1931.

MEDEIROS, B. Um caçador de autógrafos. In: SARMENTO, F. M. (org.). Coleção Adir Guimarães: inventário analítico. Rio de Janeiro: A Biblioteca, 2007. Disponível em: https://soparararos.files.wordpress.com/2019/01/sarmento-anaisbn-2003.pdf. Acesso em: 15 dez. 2019.

MELOT, M. Qu'est-ce qu'un objet patrimonial? Bulletin des bibliothèques de France (BBF), Paris, t. 49, n. 5, p. 5-10, 2004. Disponível em: https://bbf.enssib.fr/consulter/01-melot.pdf. Acesso em: 2 out. 2021.

MOUREN, R. Manuel du patrimoine en bibliothèque. Paris: Cercle de la librairie, 2007.

POMIAN, K. Coleção. In: Enciclopédia Einaudi: Memória-História. Lisboa: Imprensa Oficial/Casa da Moeda, 1984.

POULOT, D. Uma história do patrimônio no ocidente. São Paulo: Estação liberdade, 2009.

PRATS, L. El concepto de patrimonio cultural. Cuadernos de antropología social, n. 11, p. 115-136, 2000.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. São Paulo: Editora da Unicamp, 2007.

RODRIGUES, M. C.; VIAN, A. E.; TEIXEIRA, H. D. Marcas de procedência: contribuições para o estudo do livro raro. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 25, p. 1-20, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2019.e65498/42498. Acesso em: 15 set. 2020.

STELLING, L. F. Ex-Líbris como objeto de estudo e coleção. In: SILVA, A. da C e.; MACIEL, A. (org.). Livro dos Ex-Líbris. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014. p. 174-177.

TEXTILE INDUSTRY. Industria textil e do vestuário: Textile Industry: ano XII. Os Tapetes "Rheingantz". 2012. Disponível em: http://textileindustry.ning.com/forum/topics/os-tapetes-rheingantz?commentId=2370240%3AComment%3A359762. Acesso em: 17 dez. 2019.

WISÉHNN, A. I. Christian Hammer: mannen som samlade på allt. Svensk Numismatisk Tidskrift. n.6, p. 132-136, oktober, 2009. Disponível em: https://numismatik.se/pdf/snt62009.pdf. Acesso em: 17 dez. 2019.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Della Flora Cortes, M., & Igansi Nunes, J. F. (2022). DISCUSSÕES TEÓRICAS SOBRE O PATRIMÔNIO E A MEMÓRIA EM TORNO DOS EX-LÍBRIS. BIBLOS, 35(2). https://doi.org/10.14295/biblos.v35i2.12589