AS COLEÇÕES ESPECIAIS SOB O DOMÍNIO DAS DISTINÇÕES

Autores

  • Vinícios Souza de Menezes Universidade Federal de Sergipe
  • Rodrigo Porto Bozzetti

DOI:

https://doi.org/10.14295/biblos.v35i2.12584

Palavras-chave:

Coleções especiais, Distinção, Documentos

Resumo

Utiliza as discussões de documento por atribuição e documento por intenção de Jean Meyriat para sugerir a existência de hipodocumentos e supradocumentos. Explora como o adjetivo especial pode atribuir um peso central ou marginalizado para coleções de documentos. Enumera os conceitos tradicionais de coleções especiais na Arquivologia, Museologia e Biblioteconomia, identificando semelhanças e distanciamentos. Aponta que as coleções especiais são compostas por documentos especiais, dotados de características que os distinguem dos demais de maneira endo-orientada, caracterizada pela valorização da coleção/documento ou exo-orientada caracterizada pela marginalização das coleções/documentos. Usa o conceito de distinção de Pierre Bourdieu para demonstrar as legitimações de discursos dominantes e diferenças sociais que as coleções especiais, supradocumentos e seus espaços realizam

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícios Souza de Menezes, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) em convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2017. Pós-doutor pelo Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) em convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2020. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (2012). Pesquisador-Bolsista da Fundação Biblioteca Nacional do Brasil (2012). Bacharel em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal da Bahia (2009). Atua com foco nos aspectos filosóficos, epistemológicos e historiográficos da Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação. Atualmente desenvolve pesquisa em Filosofia da Informação e Organização do Conhecimento, sob o ponto de vista do perspectivismo ameríndio e outras razões alterantes.

Rodrigo Porto Bozzetti

Mestre em Ciência da Informação, pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT/UFRJ), bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), bacharel em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, e técnico em Meteorologia formado pelo CEFET-RJ. Foi bolsista de iniciação científica do Centro de Memória e Informação da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) desenvolvendo o projeto de pesquisa Conservação Integrada: implantação de programa de pesquisa no campo da deterioração dos acervos documentais. Tem experiência nas áreas de Biblioteconomia, História, Ciência da Informação, conservação de acervos especiais e georreferenciamento.

Referências

ARANTES, Antonio Augusto. O que é cultura popular? São Paulo: Brasiliense, 1990.

ARARIPE, F. M. A. Do patrimônio cultural e seus significados. Transinformação, v. 16, n. 2, p. 111-122, 2004.

ARAUJO, Andre Vieira de Freitas. Gestão de coleções raras e especiais no séc. XXI: conceitos, problemas, ações. In: VIEIRA, Brunno V. G.; ALVES, Ana Paula Meneses (Orgs.). Acervos especiais: memórias e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 15-31.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1973, p.167.

BIBLIOTECA NACIONAL MARIANO MORENO. Tesoro. Sala Paul Groussac. 2021. Disponível em: http://www.bibnal.edu.ar/biblioteca/salas/tesoro. Acesso em: 12 jan. 2021.

BIBLIOTECA NACIONAL DE URUGUAY. Materiales Especiales. 2021. Disponível em: https://www.bibna.gub.uy/materiales-especiales/. Acesso em: 12 jan. 2021.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRULON, Bruno. Descolonizar o pensamento museológico: reintegrando a matéria para re-pensar os museus. Anais do Museu Paulista, v. 28, p. 1-30, 2020.

BUCKLAND, Michael. What is a document? Journal of the American Society for Information Science, v. 48, n. 9, p. 804-809, 1997.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Unesp, 2010.

CSÉVE, Magdaléna; HUNGRIA, Zoltá Bódi. El archivero de soportes especiales una crisis de identidad. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE LOS ARCHIVOS, 12., 1992, Montreal. Anais [...]. Montreal: s.n, 1992.

p. 1-12.

DOOLEY, J. M.; LUCE, K. Taking our pulse: the OCLC research survey of special collections and archives. Dublin: OCLC, 2010. Disponível em: http://www.oclc.org/content/dam/research/publications/

library/2010/2010-11.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

DURANTI, Luciana. Diplomatics: new uses for an old science. Society of American Archivists: Maryland, 1998.

FEBVRE, Lucien. Contra o vento: manifesto dos novos Annales. In: NOVAIS, Fernando A.; SILVA, Rogerio Forastieri da (Orgs.). Nova História em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011. p. 74-85.

FROHMANN, Bernd. Revisiting “what is a document?”. Journal of Documentation, v. 65, n. 2, p. 291-303, 2009.

GALBRAITH, S. K.; SMITH, G. D. Rare book Librarianship: an introduction and guide. California: ABC-CLIO, 2012.

GONZÁLEZ GARCÍA, Pedro. Los documentos en nuevos soportes. Boletim do arquivo, São Paulo, v.1, n.1, p. 19-38, 1992.

KANT, Immanuel. Conflito das Faculdades. Lisboa: Edições 70, 1993.

LACERDA, Aline Lopes de. A fotografia nos arquivos: a produção de documentos fotográficos da Fundação Rockefeller durante o combate à febre amarela no Brasil. 2008. Tese de Doutorado em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. In: NOVAIS, Fernando A.; SILVA, Rogerio Forastieri da (Orgs.). Nova História em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011. p. 128-179.

LIBRARY OF CONGRESS. Rare Book and Special Collections Division. 2021. Disponível em: https://www.loc.gov/rr/rarebook/about.html. Acesso em: 12 jan. 2021.

LUND, Niels W. Document theory. Annual Review of Information Science and Technology, v. 43, n. 1, p. 399-432, 2009.

MARIZ, Anna Carla Almeida; VIEIRA, Thiago de Oliveira. A construção da noção de documentos especiais na Arquivologia. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n. 9, p. 287-302, 2015.

MELOT, M. Qu'est-ce qu'un objet patrimonial? Bulletin des Bibliothèques de France, v. 5, p. 5-10, 2004.

MEYRIAT, Jean. Ducoment, documentation, documentologia. In: COUZINET, Viviane (Org.). Jean Meyriat, théoricien et praticien de l’information-documentation. Paris: ABDS, 2001. p.143-159.

MOUREN, R. Manuel du patrimoineen bibliothèque. Paris: Cercle de la librairie, 2007.

MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES. Coleções. 2021. Disponível em: https://mnba.gov.br/portal/colecoes.html. Acesso em: 12 jan. 2021.

OTLET, Paul. Traité de documentation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum, 1934.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1986.

PALMA PEÑA, J. M. El patrimonio cultural, bibliográfico y documental de la humanidad: Revisiones conceptuales, legislativas e informativas para una educación sobre patrimonio. Cuicuilco, v. 20, n. 58, p. 31-57, 2013.

PEARCE-MOSES, Richard. A Glossary of Archival and Records Terminology. Chicago: The Society of American Archivists, 2005. Disponível em: http://www.archivists.org/glossary/index.asp. Acesso em: 12 jan. 2021.

PINHEIRO, Ana Virginia. História, Memória e Patrimônio: convergências para o futuro dos acervos especiais. In: VIEIRA, Brunno V. G.; ALVES, Ana Paula Meneses (Orgs.). Acervos especiais: memórias e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 33-44.

PINHEIRO, Ana Virginia. Que é livro raro?: uma metodologia para o estabelecimento de critérios de raridade bibliográfica. Rio de Janeiro: Presença, 1989.

RICHARDS, Thomas. The Imperial Archive: knowledge and the fantasy of empire. Londres: Verso, 1993.

RONDINELLI, Rosely Curi. O documento arquivístico ante a realidade digital: uma revisão conceitual necessária. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Dom Quixote, 1998.

SOUZA, Willian Eduardo R. de; CRIPPA, Giulia. O patrimônio cultural como documento: reflexões transdisciplinares para novos horizontes na Ciência da Informação. Transinformação, v. 21, n. 3, p. 207-223, 2009.

STOLER, Ann Laura. Os arquivos coloniais e a arte da governança. In: HEYMANN, Luciana; NEDEL, Letícia (Orgs.). Pensar os arquivos: uma antologia. Rio de Janeiro: FGV, 2018. p. 207-236.

ZUÑIGA, Solange Sette G. de. A importância de um programa de preservação em arquivos públicos privados. Registro: Revista do Arquivo Público Municipal de Indaiatuba, ano 1, n. 1, p. 72-91, 2002. Disponível em: https://www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br/arquivos/galerias/registro_1.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Souza de Menezes, V., & Porto Bozzetti, R. (2022). AS COLEÇÕES ESPECIAIS SOB O DOMÍNIO DAS DISTINÇÕES. BIBLOS, 35(2). https://doi.org/10.14295/biblos.v35i2.12584